.

.

“À Flor da Pele”: Fábio Assunção terá filho transexual

Um dos principais temas abordados em “À Flor da Pele”, próxima novela de Glória Perez para a faixa das 21h da Globo, será a transexualidade.
Escalado para ser um dos protagonistas do folhetim, Fábio Assunção será pai de um personagem transexual na trama. A decisão foi tomada na última semana. O personagem será defendido por Carolina Duarte, que fará sua estreia na televisão. As informações são da colunista Patrícia Kogut, do jornal “O Globo”.
Com direção de Rogério Gomes, “À Flor da Pele” tem estreia prevista para a metade do primeiro semestre de 2017, substituindo “A Lei do Amor”, de Maria Adelaide Amaral e Vicent Villari.

Mulher transexual ganha na Justiça direito de visitar o marido preso em Ribeirão Preto - SP

Uma mulher transexual conquistou na Justiça o direito de visitar o marido preso aos domingos, em condições iguais às das outras mulheres de presidiários do Centro de Detenção Provisória (CDP) de Ribeirão Preto (SP).
Casados desde 2015, a transexual de 33 anos e o homem de 25 não tinham direito à visita íntima desde que o marido foi preso, em fevereiro. Por não ter feito cirurgia de troca de sexo, a unidade justificou que ela não poderia fazer a visita no mesmo dia do restante das mulheres.
Procurada pelo G1, a Secretaria de Administração Penitenciária (SAP) negou as alegações da mulher e informou que ela realizava a visita ao seu companheiro normalmente, inclusive aos domingos.
Na decisão, o juiz corregedor dos presídios de Ribeirão Preto, Luiz Augusto Freire Teotônio, considerou que a transexual era vítima de discriminação e determinou que ela realizasse a visita aos domingos e que apenas o preso passasse por revista, após os encontros.
Visitas aos sábados
Logo após a prisão do marido, a mulher teve autorização para visitá-lo no CDP aos sábados, dia destinado aos homens e quando não é permitida visita íntima.
Nos autos, a mulher relata constrangimento ao passar por revista com os outros homens.
"Tem que se despir e é sempre um momento de muito constrangimento, principalmente para ela", afirmou o defensor público Aluísio Iunes Monti Ruggeri Re, que defendeu o caso, de início extrajudicialmente, e depois no Fórum.
"Oficiamos o diretor do presídio, juntando toda a documentação e pedindo o mesmo tratamento que a das demais esposas e companheiras, só que houve resistência oficial do diretor do presídio", comentou Re.
Segundo a Defensoria, a direção prisional considerou que a transexual não poderia realizar as visitas aos domingos porque não teria passado por cirurgia de transgenitalização. "Segundo o diretor, era até para não constranger as demais visitantes", disse o advogado.
Visitas íntimas
No processo, a mulher conta que uma alternativa foi proposta pela direção, de permitir a visita íntima em local reservado, mesmo aos sábados, mas sem sucesso.
"Ela sempre reclamou dessa forma de visita e o próprio dia diferente já é uma discriminação e justificaria o pedido, independente de ter visita íntima ou não", disse Re. 
Na decisão do juiz de Ribeirão, além de considerar a discriminação sofrida pela transexual, a sentença determinou que ela não passasse por revista íntima, para evitar constrangimento. Com isso, apenas o preso seria revistado, após o encontro.

DO G1

Transexual é impedida de fazer visita íntima em presídio de Colatina

Com o companheiro preso há dois anos, uma transexual foi impedida de fazer visitas íntimas em um presídio de Colatina. Daniela Góis foi barrada pelo diretor da unidade e disse que neste mesmo presídio ela já conseguiu fazer três visitas ao namorado.
Daniela já enfrentou muitos preconceitos, mas contou que ainda não havia sido privada de um direito garantido por lei. De acordo com a transexual, o diretor da unidade disse que lá era um presídio religioso e ele não permitia que entrassem transexuais.
Ela denunciou o caso pelo Disque 100, à Secretaria Nacional de Direitos Humanos, que acionou o conselho estadual, e à Defensoria Pública. O defensor Ronan Ferreira investiga se houve ou não violação de direitos.
A lei de execuções penais, que é de 1984, diz que o preso tem direito à visita íntima do cônjuge ou companheira. Não explicita uma relação homosexual, mas o conselho de direitos humanos e a defensoria trabalham baseados numa resolução do Supremo Tribunal Federal, que em 2011 declarou a relação homosexual uma união familiar legítima, com os mesmos direitos da relação heterosexual.
Para a Secretaria Estadual de Justiça, que cuida dos presídios capixabas, não houve violação de direitos e nem preconceito. Segundo a Sejus, naquela semana, todas as visitas íntimas foram suspensas.

Australia: Transexual violada mais de duas mil vezes numa prisão masculina

Mary, nome fictício, viveu momentos de puro terror depois de saber que tinha sido condenada a quatro anos de prisão. Esta não é uma prisioneira “normal”, sublinha o NY Post, é uma mulher transexual que esteve encarcerada numa prisão para homens.

Tudo começou nos anos 90 em Queensland, Austrália, mas só agora é que teve coragem de contar a sua história. Viveu décadas atormentada, com recordações perturbantes de memórias vividas entre as grades.

Mary foi enviada para a cadeia depois de ter roubado um veículo, mas sempre pensou que seria transferida para uma prisão feminina. Estava enganada. Segundo a própria, foi alvo de todo o tipo de agressões e as violações eram recorrentes, chegava a ser abusada mais do que uma vez por dia.

"Basicamente tentavam que trocasse o meu corpo por proteção", revela, acrescentando que "ou tentam manipular ou ameaçam e assim que se cede às ameaças são um alvo fácil e todos querem ter relações sexuais, sejam forçadas ou consentidas".

Mary nunca quis ter relações com os prisioneiros, mas aceitou a primeira vez porque tinha medo de ser atacada. Chegou a ser transferida para outras prisões, mas em todas foi violada, sendo que na Boggo Road foi onde viveu momentos mais perturbadores.

A transexual diz ter sido violada mais de duas mil vezes durante o cumprimento da sua sentença. "Era o inferno na terra, era como se tivesse morrido e aquele era o meu castigo", afirma.

Por três vezes tentou escapar, o que levou a que ficasse numa prisão de alto risco, com os prisioneiros mais violentos daquele país. "Só me queria livrar daqueles abusos", é assim que justifica a sua tentativa de fuga.

Durante o tempo em que lá esteve foi-lhe negada a toma de hormonas, ou seja, os pelos voltaram a crescer na sua face. A partir desse momento, Mary sentiu que tinha perdido a sua identidade. A mulher já se tinha submetido a uma cirurgia para colocar implantes mamários, mas não tinha feito a transformação total.

Desde então, a transexual não conseguiu seguir com a sua vida. "Não tenho nenhuma relação amorosa, não consigo confiar nos homens e nunca irei conseguir", termina.


Sexswap - Transformações...

Tava vendo o blog da Camilla Najjin cdzinha e me deparei com essa postagem aqui que trata de transformações. Primeiro achei a foto acima super parecido comigo. Achei todas tão lindas que resolvi postar as que achei mais bacanas, intercaladas com algumas frases... Espero que gostem!

Cada vez que você faz uma opção está transformando sua essência em alguma coisa um pouco diferente do que era antes.

Todos os seres derivam de outros seres mais antigos por transformações sucessivas.
 
Todo Homem é o principal agente da transformação da sua própria vida.
 

Nossos Eus
Estamos em constante transformação:
nossas idéias se renovam a cada dia
e a cada segundo surge uma nova versão de nós.

Cada novo Eu questiona,
discorda
e nos faz refletir sobre o que antes acreditavamos ser incontestável...
Jacky Correia
A VIDA É UMA JORNADA, ELA NÃO LEVA A UM DESTINO EXATAMENTE,MAIS A UMA TRANSFORMAÇÃO.
Filme Para Salvar uma Vida


"Nesta profunda aceitação de seu ser natural está a semente de sua transformação. E quando ela vem por si mesma, então é um crescimento."
Osho

Enclausuro-me,
Como se fosse uma pérola em transformação,
À espera...
A vida é movimento e transformação. Há sempre certo nível de tensão para que novos significados possam fluir. A mesma tensão que desorganiza também organiza, gerando caos ou criatividade, alienação ou sabedoria
Rogério Thaddeu 

Parece existir uma profunda transformação na visão que os homens hoje possuem do mundo, como se uma única verdade pudesse negar outra, como se, uma vez, não sendo a verdade de uns, a outra se tornasse uma mentira.
Marion Zimmer Bradley 

Não há amor sem sofrimento - sem o sofrimento da renúncia a si mesmo, da transformação e purificação do eu para a verdadeira liberdade. Onde não houver algo pelo qual valha a pena sofrer, também a própria vida perde o seu valor.
Papa Bento XVI 

 
Parece existir uma profunda transformação na visão que os homens hoje possuem do mundo, como se uma única verdade pudesse negar outra, como se, uma vez, não sendo a verdade de uns, a outra se tornasse uma mentira.
Marion Zimmer Bradley

A felicidade não é exata, pois tudo está em constante transformação. O ideal seria vivê-la no exato momento em que se está feliz.
Ale Ruffini 



Aprimore seu conhecimento, cresça,o mundo está em constantes transformações... não seja você um extraterrestre de seu próprio planeta, evolua! Valéria Domanski de Medeiros
A coragem não é feita de atos demonstrativos de força, mas da bravura em reconhecer as transformações necessárias para evoluir emocionalmente. Eis o tipo de coragem necessário para que você evolua, neste momento em que tanta coisa está se redesenhando.
thomas kisseleca

Somos o ser da metamorfose ininterrupta. Nossas transformações são mais alucinantes que de uma larva, que depois de virar borboleta, morre.
Quem sou eu?
Uma pessoa em constante transformação e mudanças, se são boas ou más só o tempo dirá.
Estou pronta para mudanças da vida, estou aberta para as novas possibilidades que a vida está me dando.
Quer me conhecer.

França aprova lei que multa clientes de prostitutas

A França aprovou na quarta-feira uma lei que pune quem paga por sexo, ou seja, os clientes de prostitutas.
A lei foi aprovada com 64 votos a favor, 21 contra e ainda 11 abstenções. A nova medida diz que “a compra de atos sexuais será punida com uma multa de 1500 euros em caso de reincidência”. Ou seja, apanhados uma vez pela polícia, os clientes pagarão uma multa de 1500 euros. Se foram apanhados novamente, terão de pagar 3500 euros. Pagar por ter sexo com prostitutas menores pode levar a penas entre os três e os seta anos de prisão, bem como o pagamento de multas entre os 45 mil euros e os 100 mil euros.
Foram precisos dois anos para que a lei fosse aprovada uma vez que o tema gerava imensa controversa entre as duas câmaras do Parlamento francês. O tema fazia ainda parte das promessas do presidente francês, François Hollande durante a sua campanha eleitoral.
Os membros do sindicato dos trabalhadores do sexo, o Strass, garantem que a lei vai afetar a subsistência dos trabalhadores do sexo no país. Em França estima-se que existem entre 30 mil a 40 mil prostitutas.
A nova lei prevê ainda várias medidas para acompanhar as prostitutas que queiram deixar a profissão.
Várias prostitutas manifestaram-se ontem em frente ao Parlamento com cartazes. “Não me libertem, eu tomo conta de mim própria”, lia-se.
Países como Suécia, Noruega, Reino Unidos e Islândia já praticam esta lei.

Bárbara Aires cursa jornalismo para humanizar população trans


A militante transexual Bárbara Aires, que se tornou nacionalmente conhecida após trabalhar na produção do programa “Amor e Sexo”, da TV Globo, acaba de entrar na faculdade de jornalismo da FACHA – Faculdades Integradas Hélio Afonso, no Rio de Janeiro. 

 
+ Bárbara Aires vai interpretar famosa travesti dos anos 90 no cinema
Ela anunciou que está tendo o nome social e a identidade de gênero respeitadas no espaço. E que está bastante empolgada com o curso.

“Sempre me falaram que sou comunicativa, que sei me expressar e que tenho facilidade com as palavras. Dizem quando eu falo, fica fácil entender. A experiência profissional (como produtora do Amor e Sexo, de 2012 a 2013) me deu o rumo que eu precisava, me mostrou que sou capaz e posso ter uma profissão”, escreveu nas redes sociais
Ela diz que pensou em jornalista depois de observar a maneira como muitas reportagens trata o grupo de travestis, mulheres transexuais e homens trans. E pela vontade de promover um jornalismo humanizado, respeitoso e sério.
“A maioria (das reportagens) só cita travestis quando são presas ou arrumam briga e confusão. Como se nenhum outro grupo de pessoas fizesse também, e como se travestis não fizessem outras atividades. Ou citam mortes por questões marginalizadas. Fazem questão de citar o nome de registro, isso quando nem usam o nome social É uma espetacularização do ser travesti e transexual, exposições vexatórias e com tom de deboche. Brincadeiras do tipo “é ele ou ela? Menino ou Menina?”, entre outros.

Bárbara afirma que pretende honrar o juramento profissional da profissão: “ter compromisso com a informação, atuando dentro dos princípios universais, da justiça e democracia", além de "buscar o aprimoramento das relações humanas, visando um futuro mais digno e justo para todos os brasileiros.  "Não é o que vejo na maioria dos casos”.

Ela afirmou ainda que não entrou em uma faculdade antes porque até então as referências que teve de pessoas trans só estavam dentro da prostituição – profissão que acabou sendo vista como único destino. Ela participou da iniciativa PrepaNem, que auxilia travestis, mulheres transexuais, homens trans e outras pessoas sujeitas à vulnerabilidade social a se prepararem ao Exame Nacional do Ensino Médio. “É por essa visibilidade, por um jornalismo inclusivo e respeitoso para com todos, de verdade, que eu quero ser jornalista!”

 
 

Do NL

Mikaela Hatsune Crossdresser: Mineiro diz que encontrou a felicidade após se assumir como crossdresser

Roupas coladas, cabelo grande e salto alto são itens que fazem parte do guarda-roupa do servidor público Michel Alvim, de 36 anos. Ele é nascido em Muriaé, na Zona da Mata mineira, e se assumiu recentemente como crossdresser - pessoa que se veste com roupas do sexo oposto. A revelação foi feita em uma rede social e gerou elogios e críticas.
O muriaeense contou que, diferente do que possa parecer, ser crossdresser não significa ser homossexual. “Sempre tive curiosidade por coisas de mulheres. Em dezembro do ano passado comecei a praticar como crossdresser. Aprendi a me maquiar, a usar salto e até tirava algumas fotos para mostrar para os amigos. Considero-me um ‘não binário’, ou seja, não sou homossexual, heterosexual nem bissexual. Apenas vivo de acordo com a minha vontade”, explicou.
Alvim contou que já foi casado com uma mulher, mas que atualmente o coração dele está livre. Segundo ele, a esposa não aceitou que ele se transformasse em Mikaela Hatsune, criada por ele para assumir o “lado feminino”. “Quando encaro o personagem me sinto sexy, poderosa. Quando a Mikaela entra em cena, o Michel sai”, afirmou.
O servidor público contou que Mikaela Hatsune foi inspirada na personagem de um jogo eletrônico japonês, Hatsune Miku. “Ainda não cogitei em trocar de sexo ou tomar hormônios. Eu gosto de ser o Michel e também a Mikaela”, completou.
O tema inclusive está sendo abordado na novela global ‘A Regra do Jogo’ com o personagem de Otávio Müller (Breno/Valquíria).
Sobre a aceitação das pessoas perante o crossdresser, o mineiro afimou que ainda há muito preconceito. “Tive amigos e colegas de trabalho que me apoiaram e que disseram admirar minha coragem. A minha família achou estranho no começo, mas hoje já aceita a minha escolha. Já os homossexuais que conheço não gostaram e acabaram me criticando muito. Independentemente de tudo, estou feliz me assumindo como verdadeiramente eu sou. Encontrei a felicidade”, afirmou.
Mikaela Hatsune
Para fazer bem a personagem, o servidor público emagreceu 12 quilos, pesquisou bastante e treinou como “ser mulher”. Para ele, a maior dificuldade são os saltos, as roupas apertadas e as roupas íntimas.
“No começo foi diferente, mas aos poucos fui me adaptando e conhecendo truques para conseguir ser mais feminino. Hoje consigo ficar até duas horas em cima de um salto alto, mesmo calçando 40”, contou.
Para aqueles que têm medo ou vergonha de se assumir, o servidor público deixou um recado. “Existem muitos crossdressers que são casados e não conseguem falar com suas esposas sobre seus 'quereres' e acabam sofrendo muito e fazendo a transformação às escondidas. A gente não pode ter medo de ser feliz. Antes se assumir do que ficar infeliz pelos cantos passando uma imagem que não existe”, acrescentou.

Do G1




Crossdresser assumido gera polêmica em Muriaé 
 
No dia 22 de janeiro, o muriaeense Michel Alvim, de 36 anos, resolveu se assumir como crossdresser – pessoa que se veste com acessórios do sexo oposto. A revelação aconteceu nas redes sociais e ganhou apoio de muitos amigos, mas também gerou críticas e preconceito por outros. Em entrevista ao Guia Muriaé, ele falou um pouco sobre o assunto.
Michel é Técnico Ambiental e é funcionário público. Diferentemente do que possa parecer, ser crossdresser não significa ser homossexual. “Minha orientação sexual é ‘não-binário’, não me encaixo como homosexual, hetero ou bi, estou mais pra transgênero crossdresser não binário, termo que define quem não se rotula e que vive de acordo como sente vontade. A grande maioria dos crossdresser são heterosexuais, sendo que uma pequena parte é bissexual ou homosexual”, afirmou. O tema inclusive está sendo abordado em uma novela da Rede Globo na qual o personagem do ator Otávio Müller passa a ser crossdresser
Ele conta que a curiosidade pelo assunto começou aos 18 anos. “A partir daí foi ficando mais intenso e aumentando quando comecei a ler sobre crossdresser e trans”, diz. “Sempre admirei personagens femininos de jogos eletrônicos e animes japoneses. Quando me visto, me inspiro na Hatsune Miku (personagem de um jogo eletrônico). Quando estou vestido de mulher, me transformo na ‘Mikaela Hatsune’ e me sinto poderosa e sexy, como a mulher dentro de mim ganhasse vida e Michel não existisse”, contou.
Ao se revelar como crossdresser, Michel recebeu elogios pela sua coragem, mas também várias críticas. “Alguns amigos e colegas de trabalho me apoiaram, mas também recebi muitas criticas. Minha família me deu apoio, mas acharam esquisito no inicio. Tive admiração por parte dos crossdresser’s e travestis, já parte dos homosexuais não gostaram. Mas gosto é gosto, né?”, disse.
Questionado se seria feliz caso não tivesse se assumido como crossdresser, Michel é enfático. “Não seria totalmente feliz eu sendo crossdresser e não me assumindo. Terminei meu casamento porque minha ex não aceitava. Estou sozinho, mas estou feliz e me descobrindo”, afirmou.
Para aqueles que tem medo/vergonha de se assumir, seja como crossdresser ou homosexual, Michel dá um conselho. “Caso queira se assumir, não tenha medo, pois o pior medo é ficar reprimido e infeliz pra fazer os outros felizes”.
Maioria se esconde e se contenta em usar apenas roupas íntimas
A antropóloga Anna Paula Vencato, que fez uma tese de doutorado sobre crossdresser, se dedicou a estudar como os adeptos dessa prática se relacionam em sociedade e acabou descobrindo que há mais crossdressers invisíveis do que visíveis. “Existem aqueles que têm muito a perder, como emprego e família, caso assumam. Por isso, muitos se contentam em usar apenas sutiã e calcinha por baixo da roupa”, disse em entrevista ao jornal O Tempo.
É grande também, segundo ela, o número de crossdressers casados. “A maior parte deles prefere ter uma distinção clara entre as duas vidas, a masculina e a feminina. Quando se montam, eles circulam em lugares relativamente protegidos. Não vão a jogos de futebol, mas a restaurantes e shoppings, que são ambientes mais tolerantes”, afirma.

Para compartilhar esse conteúdo, por favor utilize o link http://www.guiamuriae.com.br/noticias/cidade/crossdresser-assumido-gera-polemica-em-muriae/ ou as ferramentas oferecidas na página. Textos, fotos, artes e vídeos estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não reproduza o conteúdo em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso sem autorização. Se precisa copiar trecho de texto para uso privado, por favor entre em contato.

Sexo pela manhã: Confira razões para fazer e dicas para arrasar

 Ouvir o despertador tocar é uma tristeza para a maioria das pessoas. A dica dos especialistas para tornar a manhã mais feliz e mais saudável é fazer sexo. Em entrevista, a especialista Debby Herbenick, fala sobre sexo ao acordar.

Por que fazer

Ter relações sexuais no período da manhã libera oxitocina, conhecida como o hormônio do amor, que proporciona sensação de bem-estar físico e emocional. Segundo a especialista, o hormônio conecta o casal e faz a mulher se sentir mais amada durante ao dia.

Ainda de acordo com a especialista, o sexo pela manhã aumenta os níveis de IgA, um anticorpo que fortalece o sistema imunológico, protegendo-o de infecções. Outro ponto a favor do sexo matinal é o fato de o nível de testosterona dos homens ser muito mais alto após horas de sono, o que pode resultar em uma relação de mais prazer.

 
DICAS PARA O SEXO PELA MANHÃ

Segundo Herbenick, escovar os dentes antes de acordar o parceiro carinhosamente garante beijos mentolados e pode proporcionar boas sensações ao parceiro no sexo oral.

A dica é concentrar na cabeça do pênis por ser uma área rica em nervos, completa.A posição de conchinha é uma ótima pedida para o sexo matinal porque além de não demandar muita força e energia, permite que o parceiro fique com as mãos livres e sussurre no ouvido da parceira.

Em entrevista à publicação, o acupunturista Alexis Arvidson ensina uma massagem que estimula a circulação sanguínea na área genital do parceiro. Coloque os polegares na parte interna das coxas dele apontando para o pênis dele. Mova os dedos em movimentos circulares lentos de dois centímetros de diâmetro.

Do - Via: Meio Norte


Crossdresser: DEPOIS DA PRIMEIRA... NÃO TEM MAIS VOLTA!

A virtude vem de nós mesmos. É uma escolha que só a nós pertence. Quando um homem perde a capacidade de escolher, deixa de ser homem. - Laranja Mecânica 
DEPOIS DA PRIMEIRA, NÃO TEM MAIS VOLTA !!!
A PRIMEIRA VEZ DE UMA CDZINHA, O GRANDE DIA !!!

Depois que sua calcinha cair, não terá mais volta. Um pênis, de outro homem, vai penetrar mais que apenas seu cuzinho virgem... 
Vai entrar na sua vida, e abrir um espaço dentro do seu corpo e de seu coração, para novos sentimentos, para uma nova postura. Quando você vestir esta calcinha novamente, e vai vestir , não será mais a mesma cdzinha que a tirou.
 
Você será mais forte, mais independente. Será mais amada, e mais amante. Será dona de seu corpo e de suas escolhas. Não será simplesmente "uma safada".
Será uma cdzinha mais desejada. Por mais homens, e mais pelo seu homem, especialmente por aquele que te fez de mulher pela primeira vez.

Não terá volta depois que você fizer. E mesmo que decida fazer uma única vez, as marcas positivas, se você as fizer assim, serão para sempre e não haverá volta.
 
Mas não pare. Não pare enquanto não perceber que se tornou a mais feliz das cdzinhas , a cada experiência você se tornará mais você , mais completa , mais próxima da mulher que existe em você.
Post do Facebook da minha colega Marianne Marie Mariechen
 

Não deixe de ver...

Kategori