Header Ads

Poluição leva a feminização forçada de homens e animais

Machos são mais afetados pela poluição

Da Veja

Um estudo divulgado nesta segunda-feira pela organização britânica Chemichals, Health and Environment Trust (CHEM Trust) indica que os machos de várias espécies de animais estão se tornando as principais vítimas da poluição ambiental e estão passando por uma "feminização".

Foram detectadas pelo estudo alterações físicas causadas pela poluição em espécies de peixes, anfíbios, répteis, aves e mamíferos. Nesses últimos, as principais mudanças foram pênis e testículos menores ou anormais, genitais ambíguos e características intersexuais.

Nas lontras estudadas, por exemplo, houve uma redução no tamanho do pênis. Já nas focas, os pesquisadores notaram uma diminuição da reprodução.

No relatório, a CHEM Trust afirma que a descoberta reforça as preocupações sobre as possíveis implicações para a saúde humana do efeito de agentes químicos que perturbam as funções hormonais. Segundo o estudo, tanto os animais como os humanos foram expostos a mais de 100.000 novos produtos químicos nos últimos anos.

De acordo com os pesquisadores, os agentes químicos podem prejudicar a saúde sexual dos animais machos, por exemplo, bloqueando o hormônio masculino androgênio ou imitando a ação do hormônio feminino estrogênio. Dessa forma, os machos podem adquirir características femininas.

http://amanatureza.com/projeto/wp-content/uploads/2007/05/ciencia.jpg
Processos Químicos feminizam homens e animais

Do Diário de Noticias

Estudo. Uma instituição britânica recolheu dados que permitem concluir que a libertação de pesticidas e outros químicos na atmosfera está a bloquear a produção de hormonas masculinas em aves, répteis, peixes e até no homem

Estudo mostra que mamíferos estão a produzir mais hormonas femininas

A libertação de químicos na atmosfera e na água está a ter con
sequências para a masculinidade de homens e animais, diminuindo a produção de hormonas masculinas. Esta é a principal conclusão de um estudo desenvolvido por uma equipa da CHEMTrust, que surge em simultâneo com a proposta, apresentada hoje, pelo Reino Unido em Bruxelas, no sentido de controlar a utilização de pesticidas na Europa.

O relatório da CHEMTrust mostra como a utilização generalizada de químicos está a provocar uma feminização de animais vertebrados, desde mamíferos a peixes, incluindo humanos. No caso dos mamíferos, observam-se alterações nos genitais do género masculino, que estão a produzir tecidos de óvulos, nascem com pénis mais pequenos e testículos com dimensões e características anormais.


"Os químicos produzidos pelo homem estão claramente a danificar as ferramentas básicas do sexto masculino. Fica agora provado, sem qualquer dúvida, que vários 'modificadores de género' podem actuar em conjunto para produzir efeitos" nos animais e seres humanos, alerta em comunicado Gwynne Lyons, autora do estudo e directora da CHEMTrust, uma instituição britânica sem fins lucrativos.

As consequências para os seres humanos prendem- -se com a sua capacidade reprodutiva. Os químicos em questão incluem alguns utilizados em papel de alumínio e outros usados para embrulhar comida, em cosméticos ou pó-de-talco e até em utensílios eléctricos. Os efeitos passam pela produção acima da média de hormonas femininas, pelo género masculino de peixes, anfíbios, pássaros e répteis. Ou pelo bloqueio da produção de hormonas masculinas ou aceleração da geração de estrogéneo, a hormona feminina.

Para Gwynne Lyons, que já desempenhou funções de aconselhamento no Governo britânico, na área dos efeitos dos químicos na saúde, "os reguladores da União Europeia têm de assegurar que as leis passam a ter em conta este 'efeito misto' no mundo real, senão a reprodução está ameaçada". Uma posição em linha com a iniciativa de controlar o uso de pesticidas avançada pelo Reino Unido, Irlanda e Roménia.

Nenhum comentário