Header Ads

Ponderações sobre o uso do silicone injetável

Por Andrea James
Tradução e adaptação: blogueira
Copiei do Blog Confissões Agridoces de uma Sereia Trans

Ok, pode ser que eu surpreenda a todos mas tenho conselhos para mulheres trans que procuram injeções de silicone – e não é uma condenação geral!

Bem, este procedimento é ilegal e muito perigoso, mas ainda há pessoas que o procuram, como se fosse droga que vicia. Portanto, em vez de dizer: “Não consuma drogas!”, é melhor fazer com que os usuários delas reduzam os riscos [até que encontrem uma ajuda efetiva para seu problema]. O mesmo se pode dizer com respeito ao silicone: será sempre um problema na comunidade trans, principalmente quando se é jovem e pobre e está desesperada por uma feminização rápida e barata do rosto e corpo.

Não se engane, silicone injetável pode matar e de fato mata muitas mulheres trans (principalmente travestis) anualmente, além de desfigurar muitas mais. Em vez de apenas dizer que é ruim, é importante mostrar exemplos de por que é ruim. Só assim você pode decidir se os riscos valem a pena.

Compilei [em meu site] uma lista de artigos recentes sobre o assunto, bem como dados médicos, começando com dados publicados sobre mortes e desfigurações dentro da comunidade trans. Também comecei a fazer uma lista de dicas de como minimizar os riscos.

A causa mais comum de morte após a aplicação imediata de silicone é por meio de uma alergia que faz com que os pulmões se encham de fluidos, ou em virtude de embolia pulmonar. Imagine se afogar por causa do muco e do silicone que começam a encher seus pulmões. Não parece ser boa coisa, não é mesmo?

Tanto a alergia quanto a embolia pulmonar podem causar morte certa e rápida, ao menos que sejam tomados cuidados emergenciais aos primeiros sinais de coceira, tontura ou dificuldade de respirar. Uma maneira de reduzir o risco é fazer pequenas aplicações em muitas sessões em vez de uma enorme quantidade de uma só vez. Contudo, ainda continuo recomendando veementemente a não aplicar silicone injetável no corpo. Os riscos de morte, machucados, resultados estéticos insatisfatórios e problemas a longo prazo são muito altos.

Tenho uma amiga que fez a transição e foi uma dançarina stripper por muitos anos. O bumbum dela era mais bonito que o de qualquer pessoa que pôs silicone injetável que alguma vez já vi. Ela o conseguiu através de dieta e exercícios específicos para os glúteos. Ela é imbatível fisicamente e tem o corpo mais arrebatador que já vi ao vivo, seja de transexual ou não.

Pessoalmente, tentaria esse meio antes de pensar em injetar algo no corpo. Enfim, é uma escolha sua. Espero que este texto tenha ajudado.


______________________________

As dores decorrentes da aplicação do silicone são chocantes: se reclamamos da picada de uma injeção de 5 mg no bumbum, com agulha fininha, imagine a dor repetida por até 300 furos de agulha de uso veterinário (da grossura de um palito de dente), para aplicação de um copo ou de até 15 litros de silicone industrial – produto tão perigoso que na embalagem adverte-se para lavar bem a superfície afetada no caso de cair sobre a pele. Para impedir que o silicone escape através dos orifícios deixados pela agulha após sua aplicação, as ‘bombadeiras’ [como são chamadas as travestis que aplicam o silicone nas outras] tapam os buraquinhos com cola Super bonder, produto também altamente tóxico. (...) com o tempo, o silicone ‘desce’ do peito ou dos quadris para a bolsa escrotal, ou das cadeiras para as pernas e pés, provocando deformações semelhantes à elefantíase.” -Luiz Mott, presidente do Grupo Gay da Bahia.

2 comentários

Paco Bailac disse...

Un saludo desde el corazón.


pacobailacoach.blogspot.com

Anônimo disse...

Mas e aí? Vc é casado, consegue ser ativo com sua mulher e sai para fazer sexo anal? Não entendi bem o seu intento em tudo isto. Gostaria de entender apra, de repente, ser um parceiro fiel. Vc gosta de fazer sexo anal, como passivo? Esse cabelão é peruca? Vc se depila ou tem pelos pela perna? Tem corpo de homem ou é mais afeminado? Vejo que tem muitas relações com pessoas trans/travestis. Qual é sua relação com eles, é comoa tivo ou passivo?

Desde já, agradeço e aguardo resposta aqui mesmo, em seu blog. Abração!

Diego