Header Ads

Transexual faz sua primeira partida profissional depois de operação

Transexual faz sua primeira partida profissional depois de operação
Andrea Paredes ganhou apenas oito pontos na partida, mas afirma que é frequentemente comparada a "Chino" Ríos

Carla Destro - Abril

23/Abril/2009

Olé

A transexual chilena Andrea Paredes, de 38 anos, jogou segunda-feira, 20 de abril, o seu primeiro jogo como tenista profissional depois de ter realizado uma operação de mudança de sexo.

A partida aconteceu durante o torneio no Parque Roca, na Argentina, em que Andrea enfrentou a britânica Nicolas Slater (sem ranking e vinda do qualy), e perdeu por um duplo 6-0 em 31 minutos.

Apresentando golpes fracos e pouco ortodoxos, a chilena disse, com muito orgulho, mas sem tanta razão, que é freqüentemente comparada com o compatriota Marcelo "Chino" Rios.

Andrea, que é a segunda jogadora transexual de toda a história do tênis, disse que "é melhor perder assim com a melhor do que ganhar de um pacotinho ou jogar uma partida arranjada".

A chilena contou que sempre se sentiu mulher, mas que foi em 2000 que resolveu operar, pois sentiu que era uma etapa pela qual deveria passar, e por isso realizou examees psicológicos e psiquiátricos.

Quando questionada sobre os preconceitos que pode vir a sentir, a jogadora disse que não sente vergonha e que existe um paradoxo nessa história. "Tem que ser suficientemente homem para enfrentar a operação e a situação", afirmou Andrea.

Treinada por Patricio Cornejo, tenista chileno que chegou a ser número 64 do mundo em 1974 e jogou a final da Copa Davis em 1976, a transexual tem uma vida paralela ao tênis.

Andrea é engenheira industrial e tem uma pequena consultora de finanças, o que explica o porquê de ela ter começado a jogar tênis tão tarde.

A chilena, que antes se chamava Ernesto, cumpriu todos os requisitos impostos para jogar: submeter-se a uma operação completa de mudança de sexo, esperar dois anos após a operação, e fazer o tratamento hormonal aprovado. Assim, Andrea foi autorizada pela Federação Internacional de Tênis.

Mesmo com 38 anos, a jogadora pretende continuar no tênis. "Minha filosofia é a seguinte: atenção ao presente, intenção no futuro e desapego ao resultado. É preciso manter o equilíbrio", concluiu Andrea.

Nenhum comentário