Header Ads

Patos homossexuais colocam em risco sobrevivência da espécie

Patos homossexuais colocam em risco sobrevivência da espécie

Por Zacharias Calil - médico cirurgião pediátrico - Diário da Manhã

Um casal de machos está ameaçando acabar com a espécie dos patos-d’asa-azul no Reino Unido. Os machos deveriam reproduzir com a única fêmea do país, mas não estão interessados nela. Em vez de procriar com a fêmea Cherry, Ben e Jerry decidiram formar um casal entre si e ameaçam a sobrevivência da espécie na Inglaterra.

Os funcionários do santuário de pássaros do Centro Arundel Wetland, no Reino Unido, têm esperanças de que a única fêmea de pato-d’asa-azul do país, chamada Cherry, possa reproduzir e criar novos patinhos. Os pretendentes são os machos Ben e Jerry. Os três são os últimos exemplares da ave originária da Nova Zelândia no país, noticia o jornal britânico Daily Telegraph.

O problema é que os dois machos não estão dando bola para Cherry. Eles formam um casal de namorados inseparável. “Eles ficam juntos o tempo todo, desfilando por todos os lugares, grasnando um para o outro, como os machos fazem para atrair as fêmeas”, disse Paul Stevens, diretor do Centro. “As pessoas que os visitam acham que são um casal fantástico, sem saber que na verdade são dois machos.” Apesar disso, Cherry não se mostra preocupada: ela fica bem sozinha.

A primeira tentativa de reprodução foi com Ben, mas nem o macho nem a fêmea se mostraram interessador em procriar. Então, os funcionários do santuário trouxeram Jerry de Londres. “Cherry pareceu gostar dele. Aproximou-se, fez sons e pareceu que já estava fazendo um ninho. Pensamos que tudo estava indo bem, mas nada aconteceu”, afirmou Stevens.

Segundo o diretor do Centro, para espanto de todos, os dois machos se uniram e parecem realmente gostar um do outro. “Seria ótimo termos uma última ninhada de Cherry, mas Ben e Jerry estão se mostrando um casal muito amável”, disse

Muito me chamou a atenção esta recente publicação da revista Época pois é muito preocupante e serve de alerta para as alterações sexuais que estão sofrendo os animais principalmente pela contaminação do meio ambiente por agentes químicos sintéticos e que talvez não seja de conhecimento geral e o fato em si não pode ser tratado de uma maneira simples como uma mera curiosidade.

Tenho incluído em meus estudos as alterações que tem ocorrido no meio ambiente pois temos presenciado um aumento muito significativo das má formações fetais principalmente as relacionadas com o sistema reprodutor masculino e cito como exemplo: genitália ambígua, conhecida popularmente como hermafroditismo, testiculos retidos no canal inguinal ou no abdome, hipospádias (meato uretral fora do seu local normal de eliminação da urina), as pesquisas médicas indicam que a contaminação ambiental é uma principais causas destas patologias e os animais são os primeiros a sofrer essas alterações, basta ler o livro Primavera Silenciosa, de Rachel Carson, cientista e escritora que descreveu um alerta há um quarto de século sobre o perigo dos agrotóxicos sintéticos, documentando a maneira de como esses agentes químicos estavam se acumulando no nosso organismo.

Estudos realizados com o leite materno e tecido gorduroso confirmaram a medida de exposição que o corpo humano sofre.Ela incentivou o inicío do movimento ambientalista durante o pós-guerra, detalhou graficamente o estrago feito pelo uso leviano de pesticidas e agrotóxicos sintéticos. Era difícil ignorar as massas de pássaros mortos que abarrotavam os quintais da região urbana após as pulverizações aéreas ocorridas nos anos 50.

Rachel concluía que o DDT e outros pesticidas prejudicavam irremediavelmente os pássaros e outros animais, e deixavam contaminado todo o suprimento mundial de alimentos. O mais contundente capítulo do livro, intitulado “uma fábula para o amanhã”, descrevia uma cidade americana anônima na qual toda vida – desde os peixes, os pássaros, até as crianças – tinham sido silenciadas pelos efeitos insidiosos do DDT.

O DDT apareceu no mercado nos Estados Unidos em 1946, era um produto tido como extremamente seguro e posteriormente cerca de um ano, era tido como um produto milagroso e utilizado de forma generalizada para fins agricolas nos EUA. Para se ter uma ideia, em dois anos as companhias quimicas investiram 3,8 bilhões de dólares em industrias para um novo e vasto mercado de agrotóxicos sintéticos. As vendas de DDT chegaram a 10 milhões de dólares em 1946 e até 1951 chegaram a 110 milhões. O DDT era aplicado nas fazendas, residências, ao longo das ruas e também contra mosquitos porém de uma maneira totalmente displicente sem o menor controle por parte das autoridades.

O livro causou alarme entre os leitores americanos. Como era de se esperar, provocou a indignação da indústria de pesticidas. Reações extremadas chegaram a questionar a integrida de, e até a sua sanidade.

A visão sobre o uso de pesticidas foi ampliada e a conscientização do público e dos usuários começou a acontecer. Logo, já não se perguntava mais “será que os pesticidas podem ser realmente perigosos?”, mas sim “quais pesticidas são perigosos?”

Então, em vez dos defensores da natureza terem de provar que os produtos eram prejudiciais, foram os fabricantes que passaram a ter a obrigação de provar que seus produtos são seguros.
Porém, além de ela estar cuidadosamente munida de evidências a seu favor, cientistas eminentes vieram em sua defesa e quando o presidente John Kennedy ordenou ao comitê científico de seu governo que investigasse as questões levantadas pelo livro, os relatórios apresentados foram favoráveis ao livro e à autora. Como resultado, o governo passou a supervisionar o uso do DDT e este terminou sendo banido.

Estudos realizados em 1950 revelou evidências alarmantes do poder dos agentes químicos sintéticos para afetar o curso do desenvolvimento sexual exercendo uma ação do tipo estrogênico, ou que a substância estaria agindo como um hormônio.Os fazendeiros começaram a observar que as galinhas chocavam mas nenhum pintinho nascia, as criações de porcos não apresentavam sucesso pois os filhotes nasciam pequenos e morriam em um curto espaço de tempo.

Um estudo realizado na Costa do Golfo do México, Flórida, sobre as aves americanas iniciado em 1939 mostrava uma população numerosa de águias que estavam nidificando de maneira numerosa.

Em 1947, houve uma mudança preocupante pois o número de águias jovens caiu vertiginosamente. Nos locais em que ocorreram a postura dos ovos dois terços dos pássaros adultos, ficavam indiferentes ao ritual de acasalamento, não iniciando nenhuma atividade de cortejar a fêmea, sem nenhum interesse ao acasalamento.

Começaram a questionar: qual o motivo da perda do instinto natural do acasalamento ? Uma explicação plausivel na época do pós-guerra foram os grandes conjuntos habitacionais que surgiram naquela região e com a invasão humana o número de filhotes entrou em declínio.
Nos anos 1950, os estudos mostraram que 80% das águias americanas estavam estéreis.

Outro estudo que chama a atenção foi um trabalho desenvolvido no Sul da Califórnia onde os cientistas passaram a observar uma alteração curiosa nas gaivotas pois os seu ninhos apresentavam uma quantidade de ovos maior do que o normal. Sabendo que as gaivotas apresentam dificuldades em incubar mais de três ovos, algo incomum estava acontecendo e suspeitou-se de que mais de uma fêmea estivesse pondo ovos nesses ninhos porém com algumas características diferente dos ovos normais já que a maioria destes não vingavam e a casca era muito fina.

Houve a suspeita que os pássaros estavam sendo expostos a DDT.

Em trabalhos posteriores conseguiram confirmar que as gaivotas fêmeas estavam vivendo juntas e produzindo ovos em excesso.

Após cerca de 20 anos, pares de fêmeas foram observados dividindo o mesmo ninho entre as populações de várias espécies de gaivotas, no Noroeste dos Estados Unidos.

Estudos realizados e descritos na literatura científica indicavam naquela época que vários agentes químicos sintéticos, inclusive o agrotóxico DDT, podiam de, alguma forma, atuar como o hormônio feminino estrógeno e que quando esses produtos eram injetados nos ovos das gaivotas observaram que os órgãos reprodutores dos machos sofria um processo de feminização com presença de células tipicamente femininas nos testículos.

Outros pesquisadores com outros experimentos mostravam que a exposição de pássaros do sexo masculino ao estrógeno durante o seu desenvolvimento sofriam alterações que afetava o cérebro e o sistema reprodutor com alterações permanentes no comportamento sexual, os machos que sairam dos ovos nunca cacarejavam e nem caminhavam empertigadamente e , quando adultos, não exibiam comportamento de acasalamento.

Alguns estudos com animais contaminados com agentes químicos sintéticos mostram vários defeitos de comportamento indo desde o acasalamento aberrante até o descaso dos pais em relação ao próprio ninho.

Podem, desviar a expressão normal das características do sexo masculizando as fêmeas ou feminilizando os machos.

Em 1972, os Estados Unidos e vários outros países proibiram o produto,em 2006 a Organização Mundial de Saúde aprovou seu uso para o combate a malária.

Recentemente um artigo publicado na revista cientifica Environmental Science & Technology, mostrou pinguins da Antartida contaminados com o inseticida DDT. A pesquisadora acrescentou que o DDT é facilmente encontrado na água de geleiras em derretimento. Comprovou também que o inseticida não traz dano aos pinguins porém a sua concentração pode ser aferida em amostras coletadas nos animais mortos e ovos abandonados.

A maior contribuição de A Primavera Silenciosa foi a conscientização pública de que a natureza é vulnerável à intervenção humana. Poucas pessoas até então se preocupavam com problemas de conservação, a maior parte pouco se importava se algumas ou muitas espécies estavam sendo extintas.

É imperativo estarmos consciente do alerta de Rachel Carson que além de assustador jamais poderá ser ignorado e esquecido: a contaminação de alimentos, os riscos de câncer, das alterações genéticas e a morte de espécies inteiras... É importante ressaltar que pela primeira vez, a necessidade de regulamentar a produção industrial de modo a proteger o meio ambiente se tornou aceita ou seja crescimento sustentável tão comum nos “discursos” atuais.

Telegraph.co.uk
Em vez de procriar com a fêmea Cherry, Ben e Jerry decidiram formar um casal entre si e ameaçam a sobrevivência da espécie na Inglaterra


Patos homossexuais colocam em risco sobrevivência da espécie
Um casal de machos está ameaçando acabar com a espécie dos patos-d'asa-azul no Reino Unido. Os machos deveriam reproduzir com a única fêmea do país, mas não estão interessados nela

REDAÇÃO REVISTA ÉPOCA

Os funcionários do santuário de pássaros do Centro Arundel Wetland, no Reino Unido, têm esperanças de que a única fêmea de pato-d'asa-azul do país, chamada Cherry, possa reproduzir e criar novos patinhos. Os pretendentes são os machos Ben e Jerry. Os três são os últimos exemplares da ave originária da Nova Zelândia no país, noticia o jornal britânico Daily Telegraph.

O problema é que os dois machos não estão dando bola para Cherry. Eles são um casal de namorados inseparável. “Eles ficam juntos o tempo todo, desfilando por todos os lugares, grasnando um para o outro, como os machos fazem para atrair as fêmeas”, disse Paul Stevens, diretor do Centro. “As pessoas que os visitam acham que são um casal fantástico, sem saber que na verdade são dois machos”. Apesar disso, Cherry não se mostra preocupada: ela fica bem sozinha.

A primeira tentativa de reprodução foi com Ben, mas nem o macho nem a fêmea se mostraram interessador em procriar. Então, os funcionários do santuário trouxeram Jerry de Londres. “Cherry pareceu gostar dele. Aproximou-se, fez sons e pareceu que já estava fazendo um ninho. Pensamos que tudo estava indo bem, mas nada aconteceu”, afirmou Stevens.

Segundo o diretor do Centro, para espanto de todos, os dois machos se uniram e parecem realmente gostar um do outro. "Seria ótimo termos uma última ninhada de Cherry, mas Ben e Jerry estão se mostrando um casal muito amável”, disse.

Um comentário

Blogueiro de Plantão disse...

Muito bom o blog e os comentários. Convido também para visitar o meu site, de Acompanhantes Travestis, Mulheres e HOmens.

Site:

http://www.eliteacompanhantes.com.br

Abçs.