Header Ads

Três travestis mortos em dez dias em Curitiba

Mais um travesti foi assassinado, ontem, desta vez no centro, tornando-se o terceiro caso em dez dias na capital. Conhecida pelo nome de “Jenifer”, e identificada apenas como Rodrigo, a vítima levou um tiro nas costas, pouco antes da 1h, e morreu na calçada da Rua Visconde de Nácar, quase esquina com a Rua Saldanha Marinho.

Apesar do clima de apreensão entre os colegas das vítimas, a polícia acredita que não há vínculo entre os crimes que possa indicar algum tipo de perseguição a travestis.

Investigadores da Delegacia de Homicídios (DH) apuraram que “Jenifer” fazia ponto na região onde foi morta. O travesti era usuário de drogas e, ao que tudo indica, uma dívida com traficantes teria motivado o assassinato. Também surgiram comentários de que “Jenifer” costumava praticar furtos e roubos na região.

Testemunhas contaram à polícia que viram “Jenifer” descer a rua e, logo em seguida, escutaram três disparos. Um dos tiros acertou as costas da vítima, que tombou na calçada.


Dois veículos foram vistos deixando o local em alta velocidade - um Gol bola branco com película nos vidros e um Palio preto. Porém, até o momento, nenhum suspeito foi identificado pela polícia.

Onda

Dois travestis foram assassinados nos últimos dias, ambos próximo ao trevo do Atuba. Na segunda-feira da semana passada, Douglas Martins, a “Juliana”, 28, levou um tiro à queima-roupa na barriga, na Rua Javert Manfredini. Na última segunda-feira, Alexsander Botelho, a “Fernanda”, foi assassinada a poucas quadras dali, na margem da BR-476 (antiga BR-116).

O delegado Hamilton da Paz, da DH, afirmou que os três casos são investigados isoladamente e, até o momento, não há indícios de que possam estar relacionados. “Já temos suspeitas do que pode ter motivado cada um dos crimes.”

De acordo com o delegado, “Juliana” foi apontada, por outros travestis, como assaltante. “Ela costumava roubar até de seus clientes”, ressaltou. Por conta disso, a suspeita é que o assassinato de “Juliana” tenha relação com esses roubos. “Os outros travestis teriam envolvimento com drogas e as primeiras notícias são que ‘Jenifer’ devia para traficantes”, acrescentou Hamilton.

O delegado lembrou ainda que, pela vida que levam, os travestis ficam expostos à violência e tornam-se vítimas em potencial, já que se envolvem com pessoas, muitas vezes drogadas e bêbadas. Embora as autoridades policiais não acreditem em “extermínio de travestis”, Hamilton lembrou que nada está descartado.

Do Paraná on Line - Athosgls

Nenhum comentário