Header Ads

Abrindo a porta do Armario...

http://1.bp.blogspot.com/_e3yipribaoQ/SLyzqczZ1jI/AAAAAAAABIQ/ObZBfvOx75E/s320/gays231kf_thumb%5B1%5D.jpg

Com sacrifício, executivos rompem preconceito, saem do armário e conquistam espaço no mercado de trabalho.
JULIO WIZIACK, CLAUDIA ROLLI DA REPORTAGEM LOCAL DA FOLHA VIA ATOSGLS

Quando começou sua carreira na Caixa Econômica Federal, há oito anos, a publicitária Mariana Tavares, 31, não tinha se assumido como lésbica no departamento de marketing, onde atuava como analista.
Acabou suportando piadas preconceituosas feitas por um colega de repartição.
"Ele vivia repetindo que o banco estava cheio de gay e sapatão se alastrando que nem erva daninha", diz. "Repetia também que isso [a homossexualidade] era uma peste e que tinham de encontrar um pesticida bom. Também falava que o problema das lésbicas era não ter arrumado um homem que desse conta do recado."

Hoje, Mariana é coordenadora de projetos especiais da Caixa, cargo executivo hierarquicamente superior ao do colega. Quando se encontram pelos corredores do banco, ele evita cumprimentá-la.

Servidor do Banco do Brasil há 34 anos, Augusto Andrade, 53, hoje gerente da ouvidoria interna da instituição, diz que, no começo de sua carreira, quase perdeu uma promoção por ser "assumidamente" gay. "O que me salvou foi um "piti" de um dos representantes do banco, que decidia as promoções. Na minha frente, ele disse que os outros não queriam me premiar só porque eu era gay. Acabei conseguindo o cargo."

Desde que optou por ser militante do movimento gay, Andrade diz que não enfrentou mais saias justas no trabalho. "A exposição acabou me protegendo na empresa", diz.

Clovis Casemiro migrou para a área de turismo após ser expulso da escola naval no Rio de Janeiro. "Foi muito difícil para mim e para toda a minha família. Fui trabalhar inicialmente no setor de turismo. Hoje estou em uma companhia que respeita as diferenças", afirma o gerente comercial da TAM.

Há até pouco tempo, as grandes empresas só davam espaço para eles se continuassem onde sempre estiveram: no "armário". Nos últimos cinco anos, com os avanços do movimento LGBT (lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transgêneros), esse grupo começou a romper o silêncio e a lutar contra a discriminação, exigindo direitos iguais no ambiente de trabalho.

"Após ser transferido de Brasília para São Paulo, decidi levar meu companheiro comigo e incluí-lo no plano de saúde. Para isso, tive de me assumir para a companhia", diz Rodrigo Barbosa, 32, executivo de projetos da IBM. "Antes, ficava no armário com medo de ser discriminado ou não ser promovido." Otávio Diógenes, 28, companheiro de Rodrigo há oito anos, também trabalha na IBM.

Reclamações
As conquistas, como planos médicos e odontológicos empresariais extensivos a seus companheiros, cresceram na mesma proporção das reclamações a órgãos públicos.

Desde que o governo federal implementou o programa "Brasil sem Homofobia", em 2004, o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) passou a receber mais reclamações sobre discriminação nas empresas.

Em sete Estados, procuradores do Ministério Público do Trabalho investigam dez casos de discriminação por orientação sexual. Ao Ministério do Trabalho em São Paulo chegam, por mês, 30 denúncias de discriminação. Ao menos uma refere-se a gays discriminados.

São executivos, lixeiros, enfermeiros e servidores que foram alvo de brincadeiras de mau gosto, xingamentos e constrangimentos -como ser convidado a usar o banheiro feminino ou ser barrado no serviço por questões estéticas. Caso de um vendedor em São Paulo que não pôde trabalhar por estar com as unhas pintadas.

"A dificuldade em provar as denúncias, aliada ao temor de expor socialmente a vida privada e ao preconceito que está enraizado em toda a sociedade, contribui para inibir as denúncias", diz Otávio Brito, procurador-geral do Trabalho.

Na Justiça não há estatísticas que mostrem se as ações de gays que buscam reparar o assédio moral no trabalho estão aumentando. O assédio acontece quando uma pessoa é submetida a situações constrangedoras ou humilhantes, de forma frequente e intencional com o objetivo de atingir a honra e a dignidade do trabalhador.

Duas decisões recentes do TST (Tribunal Superior do Trabalho) mostram que o Judiciário tem punido, com indenizações que variam de R$ 5.000 a R$ 1 milhão, empresas em que o assédio pode ser comprovado.

O Bradesco foi condenado a pagar indenização que pode ultrapassar R$ 1 milhão ao ex-gerente Antônio Ferreira dos Santos, 47, por assédio moral e discriminação sexual em sua demissão por justa causa. O banco vai recorrer.
"Só pude comprovar a humilhação e o constrangimento que um gerente regional me fez passar, na presença de colegas de trabalho, porque tive ajuda de testemunhas. Ele dizia que o Bradesco era um lugar para homens, não para bichas e veados. Também falava para eu parar com a "veadagem" em outras situações", diz Santos.

Há três semanas, o TST manteve uma decisão da Justiça trabalhista de Sergipe, que condenou a BCP (hoje Claro) a indenizar em R$ 5.000 o atendente C.C.P. por ele ter recebido um uniforme feminino de uma encarregada de uma loja da operadora para trabalhar.

A Claro informa que foi ele quem optou por usar um uniforme feminino, de tamanho pequeno, porque havia pouca diferença com o masculino (recebido nos tamanhos médio e grande). A empresa afirma ainda que a demissão não ocorreu por esse motivo e que não aceita nenhuma discriminação.

"A empresa foi condenada por imprudência ao fornecer um uniforme -uma camisa com corte feminino. Nesse caso, o assédio ocorreu por ter causado constrangimento", afirma o ministro Ives Gandra da Silva Martins Filho, do TST.

Exemplos:

RODRIGO BARBOSA, 32
Executivo de projetos da IBM, ele saiu do armário em 2003, ao ser transferido de Brasília para ser executivo em São Paulo. "Não podia deixar meu companheiro para trás", diz. Por isso, procurou a companhia e abriu o jogo. "Gosto de servir de exemplo. Há gays em todas as empresas, e, quando um executivo de alto escalão se assume, acaba ajudando os gays abaixo na hierarquia."

MARIANA TAVARES, 31
A coordenadora de projetos especiais da CEF saiu do armário durante uma greve em 2005, ao enviar um e-mail aos colegas em que reclamava por aumento salarial e igualdade entre gays e heterossexuais. A mensagem parou na direção do banco. Após quatro dias, a instituição estendeu os benefícios aos dependentes de funcionários de mesmo sexo e proibiu a discriminação no trabalho.

AUGUSTO ANDRADE, 53
Gerente da ouvidoria interna do Banco do Brasil, ele foi o primeiro funcionário a se valer de brechas administrativas para incluir seu companheiro no plano de saúde da instituição. Depois, forçou a entrada dele como seu beneficiário na Previ, o fundo de pensão dos funcionários. "A exposição acabou me protegendo na empresa", diz. "No começo, quase perdi uma promoção por ser gay."

FRANCISCO LIMA, 45
Responsável pela logística da CEF, "Kiko", como é conhecido, lidera nove regionais do banco no país. Há 20 anos na Caixa, ele comanda um time que conta, em sua maioria, com homens e diz nunca ter sofrido discriminação dos colegas. Essa integração aumentou em 2005, com o programa de diversidade sexual da instituição. "Ganhei segurança e mais comprometimento com a CEF."

ANTÔNIO F. DOS SANTOS, 47
Após ser demitido por justa causa, o ex-gerente-geral do Bradesco e hoje corretor abriu uma ação por assédio moral e discriminação sexual. "Fui humilhado, passei por depressão após ver que minha carreira tinha sido manchada." A Justiça do Trabalho condenou o Bradesco a pagar uma indenização que pode ultrapassar R$ 1 milhão. O banco vai recorrer e não quis comentar o caso.

Executivos abrem a porta do armário e conquistam o mercado de trabalho


A CAPA

Com a chegada da 13ª Parada Gay em São Paulo, é comum veículos de comunicação abordarem assuntos relacionados à comunidade LGBT. Com o jornal Folha de São Paulo, deste domingo (07/06), não foi diferente.

De Julio Wiziack e Cladia Rolli, a matéria abordou empresários que, mesmo com toda a dificuldade, se assumiram no mercado de trabalho, romperam preconceitos e hoje são sinônimos de sucesso no que fazem.

Há oito anos, quando começou a trabalhar na Caixa Econômica Federal, a publicitária Mariana Tavares, de 31 anos, exercia o cargo de analista, no departamento de marketing. No local de trabalho, ouvia diversos tipos de chacotas preconceituosas por um colega que trabalhava na mesma repartição.

"Ele vivia repetindo que o banco estava cheio de gay e sapatão se alastrando que nem erva daninha", diz. "Repetia também que isso [a homossexualidade] era uma peste e que tinham de encontrar um pesticida bom."

Entre as piadinhas estava também a mais frequente, ouvida pela maioria das mulheres que gostam de mulheres. "[Ele] falava que o problema das lésbicas era não ter arrumado um homem que desse conta do recado," conta Mariana.

Em 2005, durante uma greve, Mariana enviou um e-mail aos colegas reclamando por uma aumento salarial e pela igualdade entre gays e heterossexuais. O e-mail chegou até a direção da Caixa Econômica Federal que, após quatro dias, estendeu os benefícios aos dependentes de funcionários de mesmo sexo e proibiu a discriminação no ambiente trabalho.

Atualmente, Mariana é coordenadora de projetos especiais da Caixa, cargo executivo hierarquicamente superior ao do colega homofóbico, que quando encontra Mariana pelos corredores do banco, evita cumprimentá-la.

No começo de sua carreira, o servidor do Banco do Brasil, Augusto Andrade, 53, lembra que quase perdeu uma promoção por ser "assumidamente gay". "O que me salvou foi um "piti" de um dos representantes do banco, que decidia as promoções. Na minha frente, ele disse que os outros não queriam me premiar só porque eu era gay. Acabei conseguindo o cargo," conta.

Augusto não enfrentou mais saias justas no trabalho, "a exposição acabou me protegendo", afirma. Tais fatos fizeram com que o servidor se tornasse o primeiro funcionário a se valer de brechas administrativas para incluir seu companheiro no plano de saúde da instituição. Depois, forçou a entrada dele como seu beneficiário na Previ, o fundo de pensão dos funcionários.

Gerente comercial da TAM, Clovis Casemiro migrou para a área de turismo após ser expulso da escola naval no Rio de Janeiro. "Foi muito difícil para mim e para toda a minha família. Fui trabalhar inicialmente no setor de turismo. Hoje estou em uma companhia que respeita as diferenças", afirma o gerente.

Já Rodrigo Barbosa, de 32 anos, executivo de projetos da IBM, ficava no armário com medo de ser discriminado ou não promovido. Mas, após ser transferido de Brasília para São Paulo, decidiu levar seu companheiro junto. "Incluí ele no plano de saúde. Para isso, tive de me assumir para a companhia", disse.

Direitos
Procuradores do Ministério Público do Trabalho investigam, em sete Estados, dez casos de discriminação por orientação sexual. Já o Ministério do Trabalho em São Paulo chega a receber, por mês, 30 denúncias de discriminação. Dessas, ao menos uma refere-se a gays discriminados.

"A dificuldade em provar as denúncias, aliada ao temor de expor socialmente a vida privada e ao preconceito que está enraizado em toda a sociedade, contribui para inibir as denúncias", disse Otávio Brito, procurador-geral do Trabalho.

Recentemente vieram a público duas ações movidas por homossexuais discriminados no trabalho, em que o Judiciário tem punido, com indenizações que variam de R$ 5.000 a R$ 1 milhão, empresas em que o assédio pode ser comprovado.

Como foi o caso do Bradesco, condenado a pagar indenização que pode ultrapassar o valor de 1 milhão de reais, ao ex-gerente Antonio Ferreira dos Santos, de 47 anos, por assédio moral e discriminação sexual em sua demissão por justa causa.

Em Sergipe, a Justiça trabalhista condenou a BCP (hoje Claro) a indenizar em R$ 5.000 o atendente C.C.P., por ele ter recebido um uniforme feminino de uma encarregada de uma loja da operadora para trabalhar. "A empresa foi condenada por imprudência ao fornecer um uniforme -uma camisa com corte feminino. Nesse caso, o assédio ocorreu por ter causado constrangimento", afirma o ministro Ives Gandra da Silva Martins Filho, do TST.

À Folha de São Paulo, a Claro informou que foi o funcionário que optou por usar um uniforme feminino, de tamanho pequeno, porque havia pouca diferença com o masculino (recebido nos tamanhos médio e grande).

A empresa afirma ainda que a demissão não ocorreu por esse motivo e que não aceita nenhuma discriminação.

Números
Apesar dos programas criados em grandes empresas para estimular funcionários a saírem do armário, o número de gays assumidos ainda chega a ser motivo de descrédito para os programas.

Para Marcus Vinicius Siqueira, da UnB e uma das pessoas envolvidas no desenvolvimento do projeto, "o problema é que eles [funcionários gays] não se sentem devidamente protegidos pelos programas para se assumirem". Segundo Marcus, "as brincadeiras de mau gosto e a falta de sanções aos funcionários que discriminam seus colegas de trabalho arranham a credibilidade desses programas."

Ana Paula Diniz, pesquisadora do Núcleo de Estudos Organizacionais da UFMG, diz que chegou a pesquisar “empresas com milhares de empregados e só quatro assumidos".

De acordo os consultores, na IBM, por exemplo, que possui o melhor programa, só 74 funcionários são abertamente gays em um total de 18 mil. No entanto, apesar das falhas, os programas ainda assim são necessários para assegurar aos funcionários homossexuais com relações estáveis benefícios corporativos.

Uma pesquisa da consultoria Mercer realizada com 210 companhias brasileiras de grande e médio portes mostra que, em 2008, 25% delas permitiam aos seus funcionários incluir os companheiros nos planos de saúde e odontológico. Há cinco anos, esse índice era de apenas 8,7%.

Atualmente, na área previdenciária, a Mercer estima que metade das entidades de previdência fechada (públicas e privadas) prevê o pagamento de pensão aos parceiros de mesmo sexo em caso de morte do titular do plano.

As estatais estão na dianteira desse processo ao conceder o benefício. Na Previ, fundo dos funcionários do Banco do Brasil, já existem 200 casais gays inscritos.

Nos sindicatos, negociações trabalhistas também avançam, incluindo benefícios a funcionários homossexuais e a seus companheiros nos acordos coletivos de categorias. Em 2008, sete acordos dos 220 acompanhados pelo Dieese previam a extensão de direitos a dependentes gays. "São poucos acordos, mas os homossexuais estão buscando ampliar seus direitos. É um sinal positivo", diz Luís Augusto Ribeiro da Costa, técnico do Dieese.

Nenhum comentário