Header Ads

Gordinhos sofrem para encontrar roupas da moda

Gordinhos sofrem para encontrar roupas da moda

Lojas investem pouco nas modelagens maiores.
"Nas lojas de gente gorda não há roupas para jovens", reclama estilista.

Cláudia Loureiro Do G1, no Rio


Foto: Cláudia Loureiro, do G1, no Rio
A Enjoy é uma das poucas lojas que investe na numeração maior (Foto: Cláudia Loureiro)

Vestir uma roupa que esteja na moda pode parecer fácil para aqueles que estão em forma, mas para quem está acima do peso, a briga não é somente com a balança. O mercado da moda aposta pouco em roupas para pessoas que estão fora dos padrões de magreza, mas nem por isso gostam de se vestir mal. Clientes não faltam. Pelo menos, é o que garante uma recente pesquisa do Ministério da Saúde, onde o Rio é apontado como líder entre as capitais com o maior percentual (48,3%) da população com sobrepeso.

Foto: Mauro Nascimento
"Já vesti 46. Aí, a solução é muita costureira na veia", diz Preta Gil (Foto: Mauro Nascimento)



A cantora Preta Gil, que foi a rainha da bateria da Mangueira este ano, já sentiu na pele a dificuldade de encontrar uma peça que se encaixasse no seu manequim. “Já vesti 46. Aí, a solução é muita costureira na veia”, brinca. Ela completa: “Obviamente, as lojas não estão acostumadas a ter roupas maiores. Vestindo 40 ou 42, você encontra roupa facilmente, mas de 44 pra lá, fica difícil”, declarou.

O problema, segundo ela, não é enfrentado somente pelas "gordinhas". “Problema com roupa, toda mulher tem. Estando ou não acima do peso. Conheço muita mulher magra que tem perna comprida e não encontra calça para usar.” A solução para Preta foi usar a criatividade. “Não adianta achar que você vai sair por aí vestido igual a todo mundo. Tem que ser criativo. Agora consigo comprar roupas de todos os estilistas que gosto”, disse a cantora.

A moda está tão ligada à boa forma que até virou tema do filme "O Diabo veste Prada", em que uma cruel editora interpretada pela veterana Meryl Streep faz questão de estar rodeada por profissionais bem vestidos, mas desde que vistam o tamanho 38.

A estilista Sabrina Toledo, de 28 anos, sabe bem a dor-de-cabeça que é achar roupas no tamanho 46. Ela própria vive essa rotina. Desapontada com o seu próprio mercado de trabalho, Sabrina lamenta a pouca oferta. “Roupa mais transada para gordinho não existe. Para comprar calça jeans, tenho que pedir o modelo masculino, porque é mais fácil encontrar uma numeração maior.” Sabrina reclama que as lojas não estão preparadas para atender quem está acima do peso. “Nas lojas de gente gorda não há roupas para jovens, só roupas para velhos. É como se gordo fosse velho”, lamenta.

Gordinha assumida, a administradora Ana Letícia Richard, de 28 anos, que faz parte de comunidades no site de relacionamento Orkut, como "Sou gorda sim e daí" e "Sou gorda, mas sou feliz", acha que o mercado de moda já foi pior. “Fui obesa a minha vida inteira. Visto 54 ou 56. Mas na minha adolescência era pior. Eu só encontrava aqueles conjuntos estampados horrorosos ou aquelas roupas muito escuras, com muito preto. Hoje, não é tudo que você encontra e não é tudo que fica bem, mas tem mais opção”, falou.

Letícia acha, no entanto, que os shoppings ainda oferecem poucas opções que caiam bem. “Moro em Nova Iguaçu e lá consigo achar uma roupa do mesmo modelo nos tamanhos 42 a 64. Mas, às vezes, vou a Petrópolis fazer compras”, disse. Ela aproveita e lembra que sapatos também são difíceis de encontrar. “É complicado achar sapato para pé gordo.”

Lojas têm pouca oferta de tamanhos maiores

Quem vai às compras comprova a dificuldade. O básico até existe, mas quando a idéia é achar um modelito mais fashion, aí a coisa se complica. Poucas lojas investem em roupas com numeração acima do tamanho 44 e, aquelas que vendem, se arriscam pouco: geralmente optam pelos modelos tradicionais e têm poucas quantidades no estoque.

Na loja Oh, Boy!, a clientela é formada por jovens meninas em busca das últimas tendências da moda. Mas quem está acima do peso, pode sair frustrada de lá. A numeração vai de 34 a 42, mas pode variar. “Tem tamanho 34 que é bem pequeno e tem 42 que é muito grande. Mas calças, saias, bermudas e shorts daqui não cabem nas mais gordinhas. As blusinhas às vezes cabem”, afirma a vendedora Daniela Vasconcelos. Em alguns casos, a modelagem chega a ser tão pequena que até mesmo crianças conseguem comprar algum modelo, mas quem está acima do peso sofre. “As gordinhas sabem que aqui não há tamanhos grandes. A gente até fala para o pessoal do estilo, mas a procura não é tão grande, porque as pessoas já sabem que aqui a numeração é pequena."

A timidez é outro fator que atrapalha na hora das compras. “Algumas pessoas se sentem constrangidas de perguntar se tem o seu tamanho. Na maioria das vezes, elas não perguntam se tem 46 ou 48, e sim até que tamanho tem”, diz Daniela. Outra vendedora da Oh, Boy!, Diana Castro, confirma: “Elas entram na loja, olham e dizem que aqui não tem roupa para elas. Tive uma cliente mais gordinha que gostava de tudo e nada cabia nela. Ela adorou uma bermuda e queria comprar mesmo sabendo que não dava nela. Falei que era besteira gastar dinheiro com uma roupa que ela não poderia usar”, lembra Diana.

No Cantão, o maior tamanho não passa de 44. A nova coleção apostou na modelagem mais "ampla", como diz a gerente Andréia Candal, mas não foi pensando na juventude que está acima do peso e sim nas tendências da moda. “A modelagem dessa estação acabou favorecendo as mais gordinhas, mas isso não foi de propósito. Temos poucas clientes gordinhas. Algumas tiveram neném recentemente, mas não são gordas. Estão apenas fora do peso”, diz Andréia.

A Triton tem algumas calças masculinas com numeração até 46, mas em pouca quantidade. Tamanho 48 nem pensar. A procura maior pela grife é de pessoas jovens e com corpos mais malhados. “A gente foca muito nas modelos, mas conseguimos atender algumas pessoas mais cheinhas. Trabalho aqui há três anos e nunca foi cogitado aumentar os tamanhos. Não sei se compensa financeiramente para empresa aumentar a numeração. Acho que em um ano, vendo, no máximo, 35 calças de tamanho 46”, estima o subgerente Rogério Balthazar.

Gordinhos levam mais de um modelo para garantir

Mas o que muitos empresários não acreditam é que vender roupas para pessoas com sobrepeso pode virar um bom negócio. “Quando a pessoa gosta de um modelo, acaba levando três ou quatro calças para garantir, pois sabe que se for em outras lojas, não vai encontrar”, diz o subgerente da Triton.

Na estilosa e conceitual Cavalera, o vendedor André Luiz Santos afirma que “grande parte dos gordinhos é tímida” e argumenta que a venda de roupas com numeração grande não é um bom negócio. “A gente acumula no estoque o tamanho 44”, garante André. Seu colega de trabalho, Leonard Bernard, é outro que acredita que a população com sobrepeso tem vergonha de entrar na loja e perguntar se tem o seu tamanho de roupa. “Eles ficam constrangidos de perguntar se tem o tamanho tal. Além disso, é difícil para o gordinho achar roupa transada e que esteja na moda, então quando ele encontra, aproveita a oportunidade e compra logo várias”.

A Ellus e a Fórum, duas marcas tradicionais, apostam nos tamanhos maiores para atender a clientela que vai de adolescentes a adultos, mas quase sempre visando o tradicional. “Quem vem aqui, diz sempre que não achou roupa em lugar nenhum. Por isso, eles sempre levam três ou quatro peças de uma vez. O gordinho gosta do tradicional”, afirma a gerente da Ellus, Rosane Habib.

Os modelos tradicionais das calças masculinas da Fórum chegam até o tamanho 52. Já a modelagem feminina, chega até o 46. Às vezes, com um pouco de sorte, a cliente encontra uma ou outra peça 48. “Aqui a procura dos gordinhos é grande. Público tem, mas não é o que predomina. Os tamanhos que mais vendem são os menores. Para os gordinhos, calça básica vende muito. Temos até algumas mais modernas, mas são poucas. A gente não oferece nada que não favoreça. Queremos que o cliente se sinta bem”, fala a gerente Renata Abreu.

Segundo o gerente Marcos Albuquerque da Wöllner, é mais fácil vender tamanhos 48 ou 50 para jovens altos e fortes do que para pessoas com sobrepeso. “Os gordinhos já sabem as lojas onde comprar. Na nossa loja, os tamanhos que mais vendem são 40, 42 e 44. É a nossa maior quantidade de peças.” Para não perder clientes, há alguma coisa no tamanho 46 para as mulheres e 50 para os homens, mas não é muito. “Infelizmente, o comércio hoje não está podendo arriscar. Nos extremos, ou seja, nos tamanhos muito pequenos ou muito grandes, recebemos pouca coisa para vender. Então, costumamos ligar para os clientes e avisá-los. É comum um gordinho gostar de um modelo e levar todas as cores disponíveis, porque sabe que vai ter dificuldade de encontrar”, conta Marcos.

Na descolada Redley, os maiores tamanhos de roupa chegam a 46 para homens e 44 para mulheres. Mesmo assim, a intenção não é vestir pessoas com sobrepeso, mas deixar a roupa larga e o mais confortável possível para os clientes. “Nossa modelagem não é muito grande. Ainda mais se falando de roupa de surfe, que a pessoa normalmente usa maior, para ficar mais soltinha. Acho que deveríamos ter, pelo menos, o número 48”, opina a gerente Fernanda Marinheiro.

A Enjoy é uma exceção no mercado. A loja, no entanto, tem um estilo voltado para mulheres na faixa dos 30 anos. “Todas as peças vêm do tamanho PP ao GG. A numeração maior é a que acaba mais rápido. A procura é tão grande que pensamos em atrair um público mais jovem”, diz a vendedora Edvania Ramos.

Nenhum comentário