Header Ads

Conto: A primeira Vez

[costas1_blog.jpg]
A primeira Vez

Do Blog Uma Crossdresser Japonesa

Na época eu deveria ter uns 19 anos mas aparentava uns 15-16 anos, sempre tive problemas em dirigir e de entrar em boates para maiores de 18 anos, vivia mostrando minha identidade para os policiais. Bem, eu estava fazendo cursinho e morava com meus irmãos e eles já formados e trabalhando nunca paravam em casa, um dos meus irmãos já era praticamente casado, raramente passava em casa. O outro vivia viajando então eu ficava sozinha em casa a maior parte do tempo. Através da internet, que ainda era novidade na época, eu ficava horas na net nos chats do UOL, sempre com nomes femininos conversando com vários homens. Nessas horas eu me montava e me sentia uma verdadeira garota. Conheci então um homem com nome de Jorge, era representante comercial e sempre viajava pra minha cidade. Acabamos ficando muito amigos, conversávamos diariamente e eu sempre como Karine. Ficamos seduzidos um pelo outro e ele insistia em me conhecer. Já não suportando a pressão e o fato de mentir para ele dizendo que eu era uma garota, resolvi contar a verdade, falei das minhas fantasias e que eu era Crossdresser já imaginando perder aquele amigo virtual mas para minha surpresa ele disse que adorou a minha sinceridade e continuamos nos encontrando virtualmente. Ele sempre me perguntava se eu estava montada, quais minhas roupas e meus desejos. Com o tempo nos tornamos íntimos e começamos a namorar virtualmente. Ele me enviou fotos suas pois a empresa em que ele trabalhava possuia algumas câmeras digitais, muito raras e caras na época, pena que na época não havia webcam nem câmeras digitais populares como hoje mas ele ficava me imaginando e nossas conversas sempre acabavam em transas virtuais. Eu estava hipnotizada e vivia fantasiando um homem real comigo até que de repente um e-mail surgiu na minha caixa de mensagens.

[25a.jpg]
Era do Jorge e dizia: Estou na sua cidade hospedado no Hotel Galli, venha me ver pra nos conhecermos. Tremi toda, meu coração batia rápido e fiquei sem reação. O que fazer agora?Apesar dos meus desejos eu não estava preparada pra me encontrar com ninguém, tudo era virtual e imaginário mas de repente surgiu a oportunidade de realizar meus desejos mais íntimos. Li e reli o e-mail várias vezes e resolvi que não era hora e escrevi um e-mail com uma desculpa de um compromisso inadiável e dispensei o encontro. Depois de enviado fiquei me remoendo por ter perdido a oportunidade e fui para o colégio. Nem consegui prestar atenção na aula e quando cheguei em casa fui verificar meus e-mails como sempre e o Jorge tinha escrito: querida Karine, entendo os seus motivos pra não me encontrar mas não se preocupe pois só quero te ver e conversar um pouco com você, não farei nada para magoá-la, confie em mim. Estarei aqui até amanhã de manhã, venha me ver mesmo que para um rápido café... P.S.: avisei o recepcionista que receberei uma encomenda de um jovem e caso ele apareça era pra conduzir ao meu encontro, traga algum envelope ok? Beijos!!!Eu estava mais confortável agora, me sentia mal por magoar aquele homem maravilhoso mas ele sempre simpático sabia como conduzir uma mulher..rsss... fiquei pensando um pouco e fui dormir decidida a encontrar com o Jorge na outra manhã. Acordei cedo, tomei um banho e fui ao encontro do Jorge, cada vez que chegava mais perto do hotel, meu coração parecia sair pela boca, minhas pernas tremiam mas eu estava decidida. Bem, me dirigi a recepção com um envelope na mão e logo fui encaminhada a sala do café. O recepcionista me indicou a mesa que Jorge estava. Ele me recebeu com um belo sorriso, era mais lindo que eu imaginava, demonstrava confiança,falava bem e me convidou a sentar. Entreguei o envelope a ele, ele me agradeceu e começamos a conversar.

[01a.jpg]
Ele me elogiou dizendo que eu aparentava bem mais nova que a idade verdadeira e também meu porte físico tipo mignon, dizia que era do jeito que ele imaginava. Conversamos por no máximo 30 minutos pois ele já estava de saída, pediu pra eu acompanhá-lo até a garagem pois tinha um presente pra mim. Me entregou uma caixa e um cartão e nos despedimos e combinamos de nos encontrar na net outro dia. Fiquei pensando o que poderia ter naquela caixa e fui pra casa. O cartão dizia: “Quero que você seja uma linda menina!!!!” Ao abrir a caixa encontrei uma mini-saia, blusinhas, dois conjuntos de lingerie lindos e uma sandália de salto mais um kit de maquiagem. Nossa, fiquei fascinada e logo fui me despir pra experimentar meus presentes. Adorei todos, todos do meu número, caíram como uma luva. Me esbaldei em frente ao espelho desfilando solitária. Outro dia nos encontramos na net e agradeci os presentes, ele me perguntou se tinham ficado bem em mim e eu respondi que sim, que estavam ótimos. Ele disse que adoraria me ver usando os presentes qualquer dia e respondi que me montaria com ele com muito prazer. Na outra semana ele me envia um e-mail que dizia: estou em sua cidade e ficarei até amanhã, adoraria ver você montada!!! Traga suas roupas e monte-se aqui no hotel... fiquei com medo mas eu queria me mostrar montada pra ele e fui pra lá. Coloquei as roupas na minha mochila do colégio e fui para o banho. Me lavei e aproveitei pra aparar os pelinhos da virilha, eu sempre deixava bem desenhada mas resolvi dar um retoque e deixar só um triangulo bem pequeno. Passei um hidratante perfumado por todo o corpo e fui ao encontro do meu amado. Como da outra vez o recepcionista me orientou a ir ao apartamento do Sr. Jorge e fui lá. Bati na porta e ele me esperava com uma garrafa de vinho. Conversamos alguns minutos e pedi licença pra me montar. Não sei quanto demorei, se foi uma ou duas horas mas sabe como é uma mulher se aprontando não é...rssss.... Quando voltei toda montada com maquiagem e tudo mais o Jorge se surpreendeu, me elogiou e ficou me olhando por todos os ângulos. Ficamos conversando e logo senti suas mãos em minhas coxas. Minhas pernas tremiam enquanto eu pensava: “Será que vai ser hoje? Ai, e se doer, nossa, mas to com tanto desejo”. Deixei ele me apalpar um pouco e me levantei deixando ele sentado. Comecei a simular um streap-tease e ele estava de queixo caído. Fiquei rebolando na frente dele e ele me puxou ao seu encontro e senti sua vara dura na minha bunda, fiquei rebolando naquela delícia enquanto suas mãos percorriam meu corpo e sua boca dava beijos em meu pescoço. Eu estava totalmente dominada e logo estávamos nos beijando. Fiquei só de lingerie e com as sandálias provocando ele que já tirava seu mastro pra fora da calça e se masturbava. Caí de boca e comecei a chupar como nos velhos tempos na época da auto elétrica mas tinha certeza que aquela noite seria diferente. Logo ele me posicionou de bruços e começou a beijar a minha bundinha, afastou a minha calcinha e com o dedo lubrificado começou a me penetrar. Nossa, eu estava no céu, ele sabia muito bem como me deixar louca. Foi me acostumando com seus dedos até que ele se posicionou atrás de mim e senti a cabeça do seu pau quente na minha portinha dos fundos. Com muita experiência e paciência ele foi colocando em minha gruta e eu sentia sendo aberta. Até a cabecinha entrar doeu mas logo foi ficando gostoso e fui sentindo cada centímetro me rasgando. Quando senti o seu saco bater na minha bunda gritei gostoso, ele puxou minha cintura com o pau todo dentro de mim e me posicionou de quatro. Nossa, como foi delicioso, ele bombava devagar no começo e logo eu estava empurrando minha bunda ao encontro daquele pau delicioso. Ficamos transando como loucos até gozarmos satisfeitos. Não queria que aquela noite acabasse e dei pra ele até não agüentar mais. Já de madrugada depois de um cochilo voltei pra minha vida de sapo e a magia acabou mas mesmo assim ele me beijou na boca e apertou minha bunda me chamando de gostosa e que logo voltaria pra me comer novamente. Foram vários meses de transas, nos encontrávamos de 2 a 3 vezes ao mês mas o destino acabou nos separando. Acabei passando em um vestibular fora e o Jorge fora transferido para o Chile e aí ficou difícil nos relacionar mas sempre que penso em minha primeira vez é do Jorge que me recordo.

Nenhum comentário