Header Ads

Viciados em Bondage

Qualquer garimpeiro da internet já se deparou – e muito provavelmente se deliciou – com os vídeos postados por alguém que assina “comscidoc”. São vídeos totalmente amadores, captados via webcam, com belas mulheres vivendo ao máximo a fantasia da “donzela em perigo”. Todos postados de graça, primeiro no YouTube (do qual foi sumariamente banido), depois no Dailymotion (onde ainda há videos) e por fim no Mediafire.
A curiosidade de saber como tais vídeos foram feitos nos levou a investigar quem os fazia. E encontramos: é um PhD em Ciência da Computação (daí o “doc” no nome) de 44 anos que vive nos arredores de Atlanta, Geórgia (EUA), que obviamente prefere permanecer anônimo. E é também uma pessoa de fino trato, agradabilíssima e que sabe bem o que quer. Praticante de bondage a vida toda, há cinco anos ele começou a produzir seus vídeos, mas é melhor ler o que ele próprio tem a dizer sobre sua trajetória.

1) Acho que a primeira coisa que todo mundo que já viu seus vídeos quer saber é: como você encontra garotas tão naturalmente bonitas que estejam dispostas a aderir às suas fantasias bondagistas?
Tenho mais de 1.000 vídeos de webcam, alguns de garotas que compartilham um interesse em viver a fantasia de “damsel in distress” e concordaram em brincar em frente às suas câmeras (e eu nunca posto esses clipes), outros são de sites pagos nos quais as garotas o fazem por uma taxa. Acho que eu tenho muito dinheiro e pouco bom senso.


2) Quando você descobriu que se interessava por mulheres amarradas e amordaçadas?
Acho que nasci com esse interesse. Algumas de minhas primeiras memórias são de ficar fascinado sempre que eu visse mulheres amarradas e amordaçadas na televisão. Eu achava que era a Única pessoa no mundo com esse interesse e achava que eu era um pervertidozinho. Conforme fui envelhecendo, foi ótimo descobrir que eu não estava sozinho e foi ainda mais excitante quando encontrei garotas que compartilhavam do mesmo interesse.

3) Alguns caras não gostam de ser amarrados, mas isso não é parte da diversão também?
Não para mim. Não sou nada submisso. É uma coisa sexual e não tenho qualquer interesse em ver homens no papel de “dudes in distress”. Não sou gay ou bissexual. Estou interessado apenas em ver mulheres amarradas e amordaçadas.


4) Você faz e publica seus vídeos de graça. Ainda assim, você sempre encontra uns malas que se acham no direito de dizer a você o que fazer e como, e até reclamam dos resultados. Diante disso, o que te mantém motivado para continuar a fazer o que faz?

Isso é a única coisa que realmente me incomoda. Encontrei algumas pessoas realmente ótimas por aí, mas de longe a maioria dos e-mails que recebo são de malas que acham que eu deveria passar meu tempo postando cenas que se adéquam aos critérios do que eles querem ver. Qualquer um que já tenha feito uma postagem vai te dizer a mesma coisa. É frustrante e eu costumava reagir de uma maneira muito negativa, mas com o tempo eu cheguei a um ponto ao qual sou capaz de ignorá-los. As pessoas precisam entender que essa é uma área muito subjetiva e todos têm prioridades diferentes envolvendo o que gostam ou não. O que me importa são as mordaças, mas elas devem ser de pano, nos estilos “cleave” (entre os dentes) ou “OTM” (cobrindo a boca). Não me importa o jeito que a mulher está amarrada contanto que tal tipo de mordaça esteja aplicada. Recebo muitos pedidos por mordaças com fita e eu subo esses vídeos se os encontro, mas eu não saio do meu caminho para encontrá-los e editá-los. Apenas gosto de compartilhar a cena rara com a qual me deparei e acho que isso fornece a motivação.

5) Você sempre usa webcams. Nunca tentou uma filmagem mais complexa, ou o aspecto Amador da webcam é parte da diversão?
Gosto da variedade de mulheres com as quais posso fazer um vídeo com uma webcam. Eu poderia preferir outra mídia porque a qualidade fica restrita à qualidade da câmera que a moça tem, mas não quero me envolver em nenhum tipo de produção maior. Realmente curto o aspecto amador da coisa e ver as garotas desempenhar o papel é parte da diversão. A maioria delas leva tudo numa boa e realmente se diverte.

6) Onde seus vídeos podem ser encontrados atualmente?
Costumava postá-los no Dailymotion, mas havia muitos problemas técnicos que estavam me enchendo o saco e por isso eu parei de postar por lá. Eu tentei postá-los no Mediafire, mas eles viviam sendo deletados então eu simplesmente parei.

7) Agora uma pergunta bem parcial: tendo visto bondage do mundo todo, você acha que há algum aspecto do "Brazilian bondage" (isso é, garotas brasileiras) que é diferente?
Eu adoro Brazilian Bondage, vocês do Bound Brazil têm um ótimo site, as mulheres são tão bonitas e sexy! Elas parecem trazer uma autoconfiança aos clipes e eu gosto muito disso. Sempre fui atraído por mulheres fortes e gosto de ver essas mulheres em um cenário de “damsel in distress” no qual ela está braba consigo própria por cair em uma situação em que ela está indefesa. Sou um grande fã da Hanna Vitoria, mas parece que ela não está mais trabalhando com vocês. Pergunte a ela se ela não gostaria de trabalhar pra mim via webcam (risos). Também sou um grande fã da Terps e da Scarlet/Monique – acho que ela é uma domme e não uma sub, mas adoro vê-la amarrada (risos). Viajei pelo mundo e sempre achei as latinas extremamente sexy, mas me encantam as asiáticas também. O lance é que eu gosto de todas as mulheres. (risos)


Do Bondage & fetiches - Texto: Léo Vinhas

Nenhum comentário