Header Ads

Em Cuba, a primeira transexual operada virou dona-de-casa

Tudo que ela queria era ser mulher. Desde pequena, gostava de usar vestidos e se maquiar. Sofria para praticar esportes na escola e, com o passar do tempo, repudiava os pêlos que insistiam em crescer, cada vez mais grossos. Ela havia nascido no corpo errado, tinha certeza absoluta disso. E queria sair dele o mais rápido possível.

Leia mais:
Revolução gay: movimento LGBT cubano pressiona por mudanças na ilha

Em 1988, o governo cubano autorizou a primeira operação de mudança de sexo no país. Mavi Susel, que à época tinha 27 anos, recebeu até flores de Fidel Castro e o desejo de uma pronta recuperação. Tinha finalmente realizado seu sonho. Mas, apesar do apoio do comandante, sua cirurgia seria a única desse tipo por décadas. Recentemente, o cubano Juani Santos realizou o sonho de se tornar homem.



"A revolução [cubana] foi construída também com a cultura hegemônica, machista e patriarcal. Quando fizeram a operação de Mabi, suspenderam todas as outras porque foi um escândalo na sociedade. O terreno não estava preparado e se os dirigentes pensavam de outra maneira, eram extraterrestres", afirma Marilyn Solaya, diretora do documentário En el cuerpo equivocado, sobre a vida de Mavi.

O filme, lançado no final do ano passado, fez parte do concurso DOCTV América Latina, coordenado, entre outros, pelo Ministério da Cultura brasileiro, e deve participar de diversas mostras internacionais em 2011. "Receber US$ 50 mil para fazer um documentário é um luxo aqui em Cuba", confessa a diretora, em um debate realizado no cinema Glauber Rocha, na periferia de Havana. "Quando temos dinheiro, gastamos tudo. Estamos acostumados a fazer coisas independentes, a pegar ônibus, a pagar cachorro quente para toda a equipe", diverte-se.

Leia mais:
Maioria nos EUA apoia casamento gay, diz pesquisa
Costa Rica suspende referendo sobre casamento gay
Em Havana, homossexuais dançam contra a homofobia
Documentário retrata drama de judeus gays na Argentina
Justiça mantém lei de casamento gay na Cidade do México
Cuba está em uma nova fase da revolução, afirma Mariela Castro

Apesar do reconhecimento internacional, o documentário não deve passar nos canais de televisão cubanos: "é muito complicado, há muito que trabalhar em nosso povo". O preconceito não é só local, como faz questão de ressaltar: "também fomos censurados na Bolívia e editados em Porto Rico e no Chile".

Machismo

Outra dificuldade percebida pela diretora é a gênero: "Até hoje, desde 1959 [data da Revolução Cubana], apenas duas mulheres fizeram filmes de ficção aqui. As mulheres têm que romper com os padrões. Eu sou mãe solteira, tenho dois filhos e 40 anos, e tudo é muito difícil", desabafa ela, que diz já planejar seu primeiro longa-metragem ficcional.

Leia mais:
Cuba, online com o mundo?
Obama no Brasil: Cuba, um diálogo imaginário
Acesso livre à internet em Cuba é elogiado até por dissidentes
Homossexual e travesti se casam legalmente em prisão argentina
Câmara dos EUA aprova revogação de lei que proíbe gays assumidos no exército

Demonstração disso, para ela, é que Mabi tornou-se uma pessoa absolutamente conservadora, apesar de todo o processo transformador que passou. Após sua operação, ela se casou e tornou-se uma feliz esposa. "O que me toca muito é que ela teve que se construir sobre os estereótipos de mulher e vive como dona de casa, cuidando da família. Ela reproduz os papéis tradicionais", lamenta Marilyn.

Contudo, a diretora parece animada com a abertura crescente para a temática transexual. Prova dessa nova atmosfera, aponta ela, é que desde 2008 foram realizadas mais de 10 operações de mudança de sexo. Sua expectativa é de que, em breve, sejam aprovadas leis como o casamento homossexual,para que “Cuba avance”.

Do OPERA MUNDI

Nenhum comentário