Header Ads

"Sofro bullying todo dia", diz a transexual Lea T. no De Frente Com Gabi

O De Frente Com Gabi deste domingo (02) recebe uma das modelos mais bem pagas do mundo, a transexual Lea T. Nascido Leandro Cerezo, ela é uma pessoa culta, letrada, formada em artes em Florença e quase formada em veterinária em Milão.

Lea foi descoberta pelo diretor de arte da Maison Givenchy e hoje faz estrondoso sucesso nas passarelas do Brasil e do mundo. Ela foi ao programa para falar de sua vida, suas dúvidas e certezas, seus desejos para o futuro e até sobre a polêmica cirurgia de mudança de sexo que pretende realizar.

Confira abaixo as melhores frases da entrevista:

Eu não sou vaidosa. Conservei esse lado moleque.

Ele é uma das pessoas que mais amo na vida, mas é meu irmão. (sobre o suposto namoro com Riccardo Tisci, estilista da grife Givenchy)

Comecei a notar uma diferença em mim com 13 anos.

Minha mãe fala que desde pequeno eu rebolava muito.


Lea T causa frisson com maiô engana-mamãe e shortinhoA melhor descrição para como eu me sinto é tentar colocar os sapatos invertidos e andar com eles assim o dia todo.

Seu corpo não se encaixa com a sua alma. É uma angústia.

Eu achava que eu era gay, mas ser gay é algo mais sexual. A transexualidade é um gosto. Eu posso ser lésbica e ser transexual.

Eu sofro bullying todo dia.

O gay sofre muita discriminação, mas a transexual é mais.

Infelizmente a transexualidade é rejeitada em todos os lugares do mundo.

Somos o lixo do mundo.

A moda não tem coração, a moda joga pesado.

O maior turismo na Tailândia é o sexual, em busca das transexuais.

Não fica igual, fica parecido. Homem não percebe. (sobre a cirurgia de mudança de sexo)

Ser transexual não é gostoso. Sofremos bullying seja quando mostramos os documentos, seja quando escutam a nossa voz, para arrumar empregos...

Tenho que usar uma calcinha bem apertada por baixo do biquini e colocar “ele” para trás. (durante os desfiles)

Há 5 anos brigo abertamente com meu corpo.

Tem dias que você se odeia e pergunta por que Deus fez isso com você.

Quando posei nua para a Vogue Paris fiz um trabalho antes com a psiquiatra.

Não sou uma beleza que atrai os homens.

Quem gosta de transexual é hetero, normalmente casado.

Eles ainda preferem a travesti do que a transexual, pela curiosidade de ter homem e mulher em um só corpo.

Do Virgula

http://colunas.radioglobo.globoradio.globo.com/platb/files/825/2011/06/L%C3%A9a-T-1.jpg

Neste domingo (02), a apresentadora Marília Gabriela recebe a transexual Lea T. em seu programa do SBT De Frente Com Gabi. Ela, que é uma das modelos mais bem pagas do mundo, falou, entre outros assuntos, sobre a polêmica cirurgia de mudança de sexo que deseja fazer.

“Não fica igual, fica parecido. Homem não percebe. A melhor descrição para como eu me sinto é tentar colocar os sapatos invertidos e andar com eles assim o dia todo”, revelou a morena, que nasceu como Leandro Cerezo.

A modelo ainda contou sobre as dificuldades que enfrenta: “Eu sofro bullying todo dia. O gay sofre muita discriminação, mas a transexual é mais. Infelizmente a transexualidade é rejeitada em todos os lugares do mundo. Somos o lixo do mundo”.

A entrevista irá ao ar na madrugada de domingo para segunda, às 00h15.

Do Virgula

Lea T. concedeu uma entrevista ao programa “De Frente com Gabi” em que falou sobre vários assuntos polêmicos. “Eles ainda preferem travesti a transexual, pela curiosidade de ter homem e mulher em um só corpo”, afirmou a modelo brasileira, que é transexual.

A modelo ainda disse que “quem gosta de transexual é hetero, normalmente casado” e que não tem “uma beleza que atrai os homens”. “Eu achava que eu era gay, mas ser gay é algo mais sexual. A transexualidade é um gosto. Eu posso ser lésbica e ser transexual. Sofro bullying todo dia. O gay sofre muita discriminação, mas a transexual é mais. Infelizmente a transexualidade é rejeitada em todos os lugares do mundo. Somos o lixo do mundo. A moda não tem coração, a moda joga pesado” , diz

Lea, que é filha do ex-jogador de futebol Toninho Cerezo, afirma que não é vaidosa. "Conservei esse lado moleque." Ela também falou sobre a circurgia de mudança de sexo. "Não fica igual, fica parecido. Homem não percebe."

"Ser transexual não é gostoso. Sofremos bullying seja quando mostramos os documentos, seja quando escutam a nossa voz, para arrumar empregos", conta.

Lea explica ainda a técnica que usou para desfilar de biquíni no Fashion Rio. "Tenho que usar uma calcinha bem apertada por baixo do biquini e colocar 'ele' para trás."

De acordo com a assessoria da emissora, a entrevista será exibida no domingo (2), logo após o “Programa Silvio Santos”.

Da revista Quem

Nenhum comentário