Header Ads

EUA: Lésbicas são primeiro casal gay da marinha a dar beijo na doca



A oficial da marinha Marissa Gaeta esteve fora de serviço durante 80 dias, e ganhou um sorteio a bordo para poder beijar a sua companheira em terra antes de toda a gente.

O beijo público foi autorizado depois de a política «Don’t Ask, Don’t Tell» («Não se Pergunta, Não se Conta») ter sido revogada em setembro

Gaeta, 23 anos, servia a bordo do USS Oak Hill, que tinha ido numa viagem pela América Central antes de regressar às docas de Virginia Beach. A sua namorada, a oficial Citlalic Snell, 22 anos, estava à espera entre a multidão na doca.


Gaeta disse aos media localis na Virgínia que tinha gasto 50 dólares no sorteio tradicional do navio, salientando: «É bom poder ser eu própria. Já era hora», afirmou.

«Acho que é algo que vai abrir muitas portas, não apenas para o nosso relacionamento, mas para todos os outros relacionamentos de gays e lésbicas que estão a cumprir serviço militar agora», disse.

A proibição de gays no exército foi oficialmente removida em setembro, mas não foi declarada inconstitucional, o que significa que pode voltar a ser introduzida se for eleito um novo presidente nas próximas eleições.

A candidatura presidencial republicana espera que Newt Gingrich e Mitt Romney tenham uma visão diferente sobre esta matéria.

Gingrich disse já que favorece uma vasta revisão da retirada da proibição, a qual não apoiou.

Romney tem afirmado que não tenciona abolir a proibição, e que se opunha à sua revogação em tempo de guerra.

Do Diário Digital

Nenhum comentário