Header Ads

O Cumplice - Conto by Katia Walker

Era final de tarde de sexta. Todos da minha família tinham se deslocado para a casa de praia para passar o final de semana fora... Só iriam voltar no domingo a noite...e eu é claro, não fui, já que não ia perder a oportunidade de aproveitar e ficar só em casa, sem ninguém para atrapalhar a montagem da minha boneca...
Fechei cuidadosamente o portão, as portas e janelas e corri para o quarto. Não podia perder um minuto sequer...afinal a Kátia já não me deixava conter a vontade... ela queria sair... e
logo de dentro de mim!



Dirigi-me ao quarto de casal, enquanto fazia a barba, enchia a banheira. Coloquei os sais na água,
despi-me e quando ia entrar na água o telefone toca.


Era Marcos um grande amigo meu da faculdade. Somos aquele tipo de amigos que quando um precisa do outro nos ajudamos....Amigos pra toda hora... Ele nada sabia da minha feminilidade e eu não estava afim de perder a oportunidade de curtir o final de semana com a Kátia. Este era o final de semana dela...

- Diz ai!? Como é? Sexta a noite...vamos pra farra...?
- Oi Marcos não vai dar não! Estou só em casa, todo mundo viajou e alem de ter que dar uma de vigia estou meio febril...
- Ë mesmo?! Putz cara que mico... A turma da faculdade tá toda na boate, agitando e esperando agente...
- Ë mas não vai dar não vou ficar aqui e assistir a um filme e depois ir dormir... tô com muita febre mesmo, cof, cof (Fingi uma tosse para dar mais ênfase a "doença")
- Há é? tá ruim assim? Bem se quiser dou um pulo ai para te fazer companhia...?Quer?
- Não! não precisa! (retruquei, afinal era só o que faltava) Não quero incomodar...
- Que é isto amigo! Quantas vezes já fez isto por mim? Não tem problema não. Terei
o maior prazer... se quiser eu vou, não se acanhe...
- Não! Não! Tá tudo bem já me mediquei, vou assistir a um filme na TV a cabo e dormir...
- Há bom se é assim...sim! Até logo!
- Tá bom um abraço no pessoal!
- Ok! Bye...

Voltei ao quarto mas não sem antes desligar o telefone para não ser interrompido na minha transformação...Este foi o meu erro como eu descobriria mais tarde.. Deveria ter somente levado o telefone sem fio para o banheiro e atendido aos eventuais telefonemas...

No banheiro, entrei na água morninha, morninha...Pacientemente tomei um banho revigorante e lavei-me com esmero e atenção. Não deixei de lavar um só cantinho... O banho é uma parte muito importante na montagem... é como se lavássemos o que há de masculino...depois do banho tudo que colocamos sobre o nosso corpo é melhor, muito agradável e diferente...
Me enxugo, passo o hidratante, perfumes. Me cheiro...que delícia...Já havia separado o que vestir
afinal o momento já era esperado... Tudo é feminino... Ponho a calcinha, o soutien, o modelador de cintura (ponho dois) para ficar com aquela silhueta...Enchimentos.
Ponho duas meias para disfarçar os pelos das minhas pernas...por cima a Blusa branca, saia preta...as bijuterias, brincos, gargantilhas, puseras. Calço os sapatos de salto preto... ponho a peruca e a maquiagem e pronto tá montada a Kátia! Que linda! Um sonho de garota!
Montada eu me sentia feliz...Estava uma garota bem bonitinha... Quando terminava de arrumar a peruca em frente ao espelho o interfone toca...corro até a copa e atendo...
- Quem é?
- é eu cara, o Marcos... liguei várias vezes e nada...o telefone chamava, chamava e ninguém
atendia. Fiquei preocupado! Tá tudo bem?!
- Tá sim, fica tranqüilo...
- Olha trouxe uma mochila com minhas coisas e na volta da boate venho dormir aqui!
- Não! Não precisa... Vou ter que me levantar para abrir o portão...
- Que é isto? Não lembra da cópia da chave que tenho?


Marcos desfrutava da amizade de todos aqui em casa... como as vezes voltávamos de porre das farras e não saibamos onde estava a chave da casa, tínhamos a cópia da chave da casa um do outro... Eu queria realmente ficar só. A Kátia precisava disto e por mais que gostasse da atenção
de Marcos eu tinha que ficar só.... Então em tom de deboche respondi:
- É que eu tô aqui meio ocupado sabe...?
(e sussurrando, como se não quisesse que alguém perto de mim não ouvisse, emendei) tem gente
aqui comigo...me deixa aproveitar...vai embora!
- Há sim tem gente ai né? Este papo de doente é só pano de fundo pra ficar só com alguma gatinha não é?
Querendo me livrar do meu amigo, e ao mesmo tempo tranquiliza-lo concordei...
- É estou ocupado com uma amiga... agora diga tchau...(a conversa não era de todo irreal afinal
eu queria ficar só com o meu outro lado...)
- Tá bom nem convida os amigos...Egoísta...naquela vez te convidei...e tal...blababa, blababa...
Eu o interrompi e encerrei o papo dizendo...

- Tchau cara! Tô ocupado, depois a gente se fala...
E bati o interfone no gancho!
Agora sim! Estava sozinha...sentia-me confortável...Fui a cozinha fiz um lanchinho, e o comi lendo uma revista de moda...lá pelas tantas escuto um barulho no jardim...era perto do Deck da piscina...então pensei - pronto era só o que faltava... Depois do Marcos me encher o saco, agora é a vez do ladrão...Ai ponderei...- Não pode ser ladrão porque senão os cachorros teriam
latido...


Então sai de onde estava e pela brecha da janela que dava vista para o Deck. Observei e não vi ninguém...como o barulho foi de um arrastar de cadeira julguei que o barulho fora provocado pelo vento arrastando as cadeiras plásticas que estavam prostradas a beira da piscina, fato que já havia ocorrido em vezes anteriores. O meu julgamento estava certo...tão logo pensei, vi outra rajada de vento arrastar outra cadeira, jogando-a dentro d'água.

Para evitar outro susto resolvi ir até lá fora posicionar as cadeiras de forma que não mais fizessem barulho. Aproveitando-me dos muros altos da nossa casa e arrisquei um passeio pela varanda até o Deck da piscina...era delicioso o barulho dos saltos...o roçar da pernas e das meias uma na outra...

Cheguei no deck que era distante uns 15 metros da casa, chegando lá constato que uma das cadeiras está faltando... Então olho em volta e qual a minha surpresa em ver que ela esta encostada perto da janela de onde observei a piscina e pior... que o meu amigo Marcos está de boca aberta sentado nela...

Olhando para mim de forma ao mesmo tempo surpresa e penetrante...
Nesta hora minhas pernas ficaram bambas...mal tinha forças para me manter de pé. Um frio percorreu toda a espinha. Marcos, parecendo perceber isto, levanta-se e vem até onde estou...Dá duas voltas em torno de mim e para na minha frente. Põe os dois dedos da sua mão direita sob o meu queixo e levanta o meu rosto. Encara-me e diz:
- Cara nunca pensei que tu ficasse tão bem de saia...Eu tô embasbacado...Aquele papo de gatinha...era você? Eu pensando em ver uma putariazinha e vejo você assim!?
- Marcos não é isto que você tá pensando...
- Eu não tô pensando nada. Eu tô vendo...Seu bicha! Para que isso?
- Acho melhor a gente entrar...Para poder conversar com calma...

Dito isto, fomos para dentro de casa. Que vergonha! Eu vestido de mulher e flagrado pelo meu companheiro de farra. Que contraste... Quantas vezes saímos para paquerar garotas, quantas vezes falamos das roupas delas, de suas bundinhas, seus seios... e agora eu ali de roupas, seios postiços, maquiagem...como é cruel algumas conhecidencias da vida...

Sentei no sofá da sala e ele em uma cadeira na minha frente...O silencio imperou por uns 38 longos segundos...então ele disse:
- E ai seu viado, como é isso que tu sente...porque isso? Seu enrustido...
- Marcos...(pausa) eu não sei por que sou assim.

So sei que quando estou vestido assim, me sinto mulher.
Eu tô morrendo de vergonha de você me ver assim...é muito constrangedor... Ninguém nunca soube disto...destas minhas vontades...você é o primeiro...
- Há tá bom! Sei... (falando com ar de desconfiança) Quer dizer que nunca deu o cuzinho pra ninguém...tá bom acredito...seu mentiroso! Ainda bem que tu pelo menos tá com vergonha...
- Verdade! Você me conhece...sabe como sou e como penso...Nunca me mostrei não...Eu tenho esta vontade de virar mulher e as vezes esta vontade é incontrolável...Agora para de me xingar...so me sentir pior... Pra que me agredir?
- Ta bom. E como é que tu quer que eu chame um homem que se veste de mulher e pior se sente mulher...?!
- Eu sou uma Crossdresser, ou seja, um homem que vive uma vida masculina normal, mas adora se vestir de mulher.

Quando me monto assim tenho desejos e sonhos de garota...
- Desejos e sonhos de garota?! Tu tá é doido cara!
- Sim sonhos e desejos...Mas não posso realizar porque tenho que manter sigilo...e principalmente não tenho coragem...

A pressão emocional é demais para mim...
Dito isto começo a chorar...pois não agüento tanta coisa junta. Marcos se apieda de mim. senta ao
meu lado esquerdo no sofá, saca o lenço do bolso e começa a enxugar os meus olhos que nesta hora já estavam borrados por conta das lágrimas...

- E esta agora...para de chorar...Odeio ver mulher chorando...
- É que estou assustado com tudo isto.
- Fica calmo. Eu também estou ...sei lá inseguro...Logo tu...sempre levei a maior fé....é
um via... desculpe um cross... o que?
- Crossdresser.
- Que desejos e sonhos são estes?
- São simples do tipo...Passear de carro a noite, tirar fotos sensuais e quem sabe até mesmo ter
um namorado...que me ajudasse nestas fantasias...(ainda soluçando por causa do choro).
- Namorado!? (disse em tom de surpresa).
- Sim! Porque não? Afinal não te disse que quando estou assim me sinto mulher...?
- Tu é doido... E este namorado ia ganhar o que? (agora em tom de curiosidade)
- Bem...este meu lado procura ser uma garota graciosa... muito carinhosa e louca de amor para dar...so que não tenho condições para fazer isto e manter a privacidade do meu lado masculino...


A esta altura dos acontecimentos eu já havia parado de chorar Marcos já tinha colocado o seu braço direito, apoiado no sofá atrás do meu pescoço e sua mão esquerda estava pousada em cima do meu joelho esquerdo e as vezes subia até a minha coxa, na proporção que conversávamos.

Isto me dava segurança e a medida que falávamos nos aproximava-mos mais... eu já apoiava a cabeça no seu ombro...
- E ai o que tu irias fazer se podesse ter alguém assim?
- Sei lá?! Seria muito bom fazer aquilo que já te disse com um namorado ou cúmplice...
- Sei fotos, passeios.
- Acho que deixaria o meu namorado tirar as fotos sensuais, e provocantes sem cair na baixaria.
- E cama? Ia ter cama?


Quando ele disse isto, eu com a cabeça ainda apoiada em seu ombro, olho fixamente em seus olhos...Nesta hora nossas bocas estão bem perto.
- Nunca pensei nisto...Tenho muito medo.Mas com confiança e segurança acho que tentaria satisfazer na cama o meu desejo de sentir estar dando a ele uma autêntica satisfação feminina.
- É mas para isto acontecer ele teria que te ver e te tratar como mulher...
Dizendo isto olhando nos meus olhos senti nele uma cumplicidade que não esperava (pelo menos não devia esperar..) ele me olha nos olhos.. e eu nos dele. Vejo ele olhar meus lábios e ele ver eu olhar os lábios dele...fecho os olhos... e repentinamente sinto o gosto gostoso dos lábios dele.

Nos entregamos ao desejo... ao tesão.

Marcos me dá um beijo forte! Me afaga nos braços...Suas mãos não param... Enquanto chupa a minha língua e me tira o fôlego. Com as mãos por sob a saia, afaga a minha bunda...nossas respirações se tornam ofegantes e nossos abraços mais fortes.

Ele põe a minha mão sobre o volume da sua calça...Quando aperto o volume sinto a dureza
do seu pau...Ele então, abre o zíper da calça, e põe para fora o pau e empurra a minha cabeça para baixo. Abro a boca e abocanho aquela ferramenta, a princípio estranho é verdade, mas aos poucos começo a dar um trato na manjuba.

Marcos geme longa e repetidamente acusando que esta gostando do tratamento...ele abre a camisa e quando percebo isto, cheiro e chupo o seu peito...Ele adora e geme mais... Então começa a dizer:
- Continua, assim....hummm! minha gostosa!
Eu continuo chupando, e ele ora passa a mão nas minha bunda, ora passa a mão nas minhas costas...então ele aperta a aba de minha bunda com força por sob a saia e empurra a minha cabeça conta o seu pau enfiando-o todo até a minha garganta...dando sinal de que vai gozar... Não queria engolir, mas ele segura a minha cabeça e me faz engolir toda a porra e que bom... O sabor da porra quente e viscosa é deliciosa...é como pudim só que um pouco salgado.

Marcos então, me coloca de quatro no sofá, com os braços apoiados no encosto. Tira a minha saia, arreia as minhas meias e a calcinha até os joelhos... e começa a me dar, um puta banho de língua no cuzinho...que delícia...um arrepio me percorre a espinha fazendo-me tremer da cabeça aos pés.

De repente um dos dedos de Marquinhos, começa a entrar em mim. Ele vai enfiando fazendo movimentos circulares...alargando o meu buraquinho...Que gostoso. Quando estou achando aquilo realmente gostoso ele tira o dedo do meu ânus repentinamente. Então sinto algo duro, redondo e quente procurando-me sem achar...Sinto que é a minha hora.

A hora do meu sacrifício...A hora de tentar satisfazer na cama o meu desejo de sentir estar dando aquele macho tesudo uma autêntica satisfação feminina.
Busco o seu pau e o guio até a entrada de meu orifício. Sinto-o pressionar a entrada...então
com minhas mãos escancaro e esponho ao máximo o meu cú... ele diz:
- Faz força para fora...é ...assim.


Sem avisar Marcos me penetra repentinamente e com gosto começa a me estocar... a dor existe... mas aos poucos vai ficando gostosa. A medida que me acostumo com o invasor...sinto o seu saco batendo no meu e que o seu pau está em mim até o talo...Ele acelera as estocadas... o movimento de entra e sai fica mais frenético...e então o gozo. Meu e dele.
Então me dou por mim...não estou mais com os braços apoiados no sofá.



Estou deitado nele e com o meu melhor amigo deitado nas minhas costas, beijando o meu pescoço por trás e com o pau todinho atolado em mim... Penso então: 'que vergonha acabei de transar com o meu melhor amigo...'
Uma sensação de culpa ainda maior que antes me toma. Peço-lhe para sair de cima de mim...Marcos sai e pergunta porque, eu respondo.
- Isto nunca aconteceu... Me deixa...por favor não agüento de vergonha!
Ele retruca e diz:
- Aconteceu sim! Gostosa! Não quero mais saber de outra coisa.
- Não ! para com isso...!

Marcos então aplica-me um forte tapa no rosto...
e diz em tom impositivo:
- O que é !?Eu adorei trepar contigo... e sei que gostar eu sei que você também gostou
senão não tinha gozado....Então para de frescura de pudorzinho besta, porque agora somos cúmplices e não tem como você e eu esquecermos da coisa maravilhosa que acabou de acontecer!
Agora, você é a minha mulherzinha e eu o teu macho.


Permaneci calada com ele me olhando fixamente...então ele complementou.
- Como é o teu nome fofinha...(que doce!)
- Kátia....Kátia Walker.
- Kátia se arruma bem bonita e cheirosa que nos vamos sair... vou te levar para um passeio...
- Não Marcos, por favor...não quero mais novidades não.
- Kátia, colabora...Naquela hora tu não queria o meu leite...eu te obriguei e você gostou tanto que ordenhou tudinho.

- É...é verdade.
- Então faça o que eu to mandando...Se arruma que eu vou por o carro para dentro da garagem
para ninguém da vizinhança te ver. O Vidro fumê do carro vai te ocultar direitinho... confie
em mim.

Dito isto, catei a saia e rumei para o banheiro para tomar outro revigorante banho para sair com o meu cúmplice.
Esta passeio é outra estória.
Beijos e tchau

Ficção By Katia Walker - katiasteelmanwalker@hotmail.com


2 comentários

JR MUSIC disse...

conto muito bom parabens

Katia Steelman Walker disse...

Valeu o comentário...