Header Ads

Matheus Mazzafera se assume gay


Aos 30 anos, o stylist e apresentador Matheus Mazzafera decidiu assumir publicamente sua orientação sexual. “É muito forte falar ‘eu sou gay’, mas eu sou! A vontade de falar veio após o episódio com a Luana Piovani. Fiquei muito chateado de uma pessoa pública como ela fazer um bullying gratuito. O preconceito tem que acabar, não só contra o gay, mas também contra o gordo, contra o negro”, disse Matheus, em entrevista exclusiva a QUEM. Em seu amplo apartamento, nos Jardins, em São Paulo, onde mora sozinho, Matheus contou como a discussão polêmica com Luana, no Twitter, em 15 de março, o chateou. Na ocasião, a atriz ironizou: “E o lançamento da G Magazine do it gay Matheus ‘Malhafera’? Quanta gente importante foi, pasmei! Cadê as famosas amigas dele, gente?”, disse Luana, ao lembrar que o stylist é amigo de modelos como Alessandra Ambrosio e Ana Beatriz Barros. “Estavam todas ocupadas com teu chá de bebê! ;-) VACA”, respondeu Matheus no microblog.

Filho de empresários do ramo de transportes, Matheus nasceu em Pouso Alegre, no interior de Minas Gerais, de onde diz guardar lembranças de discriminação. “A minha infância inteira sofri certas formas de bullying”, lembrou. “O padre do colégio me chamava de delicado, e meus pais, muito católicos, me mandaram estudar fora do país quando era adolescente. Não os culpo. Isso me deu outras oportunidades: fiz faculdade de moda, conheci muita gente importante e me tornei stylist”, disse, sobre o trabalho que desempenhou até agora.

Há dois anos na televisão, Matheus diz que quer se dedicar somente ao quadro Na Moita, no programa Superpop, comandado por Luciana Gimenez, na Rede TV!. “Até como pessoa pública, estou aqui para dizer que não é errado ser assim e que, mesmo depois de tudo que passei, sou gay, sou feliz e estou vivo.”

QUEM: Por que decidiu assumir sua orientação sexual?
Matheus Mazzafera:
Estou aqui hoje, aos 30 anos, para provar que batalhei muito e dizer: “Sou gay e ser gay é normal”. Quero crescer mais na minha vida profissional e pessoal sendo digno e correto. A Luana fez isso comigo, mas não pode fazer. Tem gente que se suicida por causa disso. Estou aqui para dar minha cara a tapa também porque tive uma infância muito ruim: sofri um sequestro aos 14 anos, perdi um irmão de 18 em um acidente de carro, sofri preconceito e tinha medo de falar.

QUEM: Que tipo de preconceito?
MM:
Na escola e em casa. Estudei em colégio católico, e o padre fazia bullying comigo. Nunca tive gosto feminino, de querer usar sapato alto, mas sofri por ser mais sensível. O padre, na sala de aula, falava que eu era delicado. Era horrível, morria de vergonha. Em casa, meus pais eram muito católicos e fui muito reprimido, minha mãe achava que eu era assim por causa da convivência com minhas primas e me proibiu de vê-las. Hoje, minha mãe sabe que o que fazia era errado. A reação deles foi me mandar terminar o high school nos Estados Unidos.

"Tive uma infância muito ruim: sofri um sequestro aos 14 anos, perdi um irmão de 18 em um acidente de carro, sofri preconceito e tinha medo"

QUEM: Qual consequência acha que sua atitude terá?
MM:
Já tiro meu sustento do meu salário na Rede TV!, acho que estou formando minha carreira e é por isso que estou abrindo o jogo. Cobrava 20 mil reais por diária como stylist, mas não quero mais fazer isso. Sou muito novo e o importante é mostrar aos jovens que isso não é errado, dar o exemplo para que eles não tenham medo. Às vezes, o único medo que tenho é de que a gente nunca sabe o dia de amanhã. Vai que eu me apaixone por uma mulher e isso me prejudique... Mas, no mundo, a gente está aberto para tudo.

Do TH

Nenhum comentário