Header Ads

Jack, o Estripador era mulher que queria vingança, diz livro


Um novo livro causou polêmica ao afirmar que Jack, o Estripador era, na verdade, uma mulher. O autor de Jack The Ripper: The Hand Of A Woman ("Jack, o Estripador: a Mão de uma Mulher", em tradução livre), o advogado aposentado John Morris, 62 anos, defende que a galesa Lizzie Williams era o "monstro de Whitechapel". 
 
Talvez você já tenha ouvido falar no Jack Estripador, mas tenho quase certeza que nunca parou para ler ou assistir (ouvir) qualquer coisa sobre o assunto, então vamos apresentar os fatos. No ano de 1888 East End (bairro judeu no leste de Londres) assassinatos aterrorizaram os cidadãos do que é hoje uma das maiores cidades do mundo, as principais vítimas eram as garotas de programa, que eram encontradas bêbadas ou haviam bebido e tinham  ventre dilacerado e os órgãos extirpados, outro fato marcante nos assassinatos era o corte profundo na garganta deixado por Jack.
 
De acordo com a obra, a mulher matava suas vítimas por vingança porque não podia ter filhos, tendo arrancado o útero de três delas.
Lizzie era mulher de Sir John Williams, um médico da realeza e um dos principais suspeitos dos crimes, segundo outros especialistas. 
Segundo o livro, Jack, o Estripador era Lizzie Williams, que matava suas vítimas porque não podia ter filhos
O autor cita provas - que não são consenso entre especialistas que analisaram os assassinatos - de que nenhuma das cinco prostitutas mortas havia sido agredida sexualmente. 
Ele também afirma que os objetos pessoais de Annie Chapman, uma das vítimas, foram deixados perto dos pés dela "de maneira feminina".
John Morris escreveu o livro com ajuda do pai dele, Byron, que já morreu. Os dois homens fizeram buscas entre milhares de registros médicos e legais para desenhar um caso com argumentos consistentes para a tese. Segundo John Morris, a teoria não foi bem recebida por especialistas em Jack, o Estripador.
"A teoria de uma mulher estripadora é arrasadora. Mas infelizmente ela não se encaixa bem em locais onde voa bem na frente da cara de crenças antigas", disse Morris ao jornal Birmingham Mail
"Não há nenhuma dúvida de que o Estripador era uma mulher. Mas porque todo mundo acredita que o assassino era um homem, todas as evidências que apontavam para uma mulher sempre foram ignoradas", afirmou o autor.
 
O Estripador matou cinco mulheres durante dez semanas em 1888. As vítimas - Mary Ann Nichols, Annie Chapman, Elizabeth Stride, Catherine Eddowes and Mary Jane Kelly - eram todas prostitutas. Três delas tiveram os úteros removidos - o que Morris considera crucial. 
Ele diz que Lizzie, nascida em 7 de fevereiro de 1850, não podia ter filhos e, em um momento de desequilíbrio emocional, resolveu se vingar daquelas que podiam.

Nenhum comentário