Estudo sugere que cérebro feminino apresenta DNA masculino - Katia Steelman Walker Blog

Breaking

Uma Crossdresser Gordinha Complicada e Imperfeita

Encontre-me

BANNER 728X90

29 de set de 2012

Estudo sugere que cérebro feminino apresenta DNA masculino

Um estudo realizado no Centro de Pesquisas de Câncer Fred Hutchinson, nos Estados Unidos, sugere que o DNA masculino pode ser facilmente encontrado em cérebros femininos, mais comumente derivados de uma gravidez na qual o feto é do sexo masculino. 


Enquanto implicações médicas do DNA e células masculinas no cérebro são desconhecidas, estudos de outros tipos de microquimerismo - quando a mãe abriga material genético e células que foram trocados com o feto durante a gravidez - ligaram o fenômeno a doenças autoimunes e câncer, algumas vezes para o bem, outras para o mal.


William F. N. Chan, do Departamento de Bioquímica da Universidade de Alberta, que conduziu a pesquisa, afirma que o estudo é a primeira descrição de microquimerismo masculino no cérebro humano feminino. 


Os resultados apoiam a ideia de que células fetais frequentemente cruzam a barreira entre cérebro e sangue e que o microquimerismo cerebral é relativamente comum. Até então, pesquisadores não sabiam explicar se essas células poderiam atravessar tal barreira em humanos. 


Para o estudo, cientistas examinaram amostras de autópsias cerebrais de 59 mulheres que morreram com idade entre 32 e 101 anos. 


O microquimerismo masculino foi detectado em 63% dos casos, distribuído em múltiplas regiões cerebrais e descobriu-se que ele foi potencialmente persistente durante todo o tempo de vida. A mulher mais velha que teve DNA fetal masculino encontrado no cérebro tinha 94 anos. 


Das mulheres estudadas, 26 não tiveram doenças neurológicas e 33 sofriam do mal Alzheimer. O cérebro de cada mulher com essa condição apresentou uma prevalência mais baixa de microquimerismo masculino, que apareceu em concentrações menores em regiões afetadas pela doença. 


Contudo, os pesquisadores perceberam que o pequeno número de corpos estudados que tiveram histórico de gravidez desconhecida não tem uma conexão entre Alzheimer e o nível de células masculinas de origem fetal estabelecida. 


A pesquisa também não ofereceu uma associação entre microquimerismo masculino no cérebro feminino e um relativo entre saúde e doença. "A significância biológica de abrigar DNA e células masculinas no cérebro humano exige investigações mais profundas", afirmou Chan.


Outros estudos de microquimerismo masculino em mulheres, porém, encontraram chances de desenvolver tipos de câncer e doenças autoimunes. 


Em algumas condições, como o câncer de mama, acredita-se que as células fetais originadas podem oferecer proteção à mulher. Em outros tipos, como o câncer no cólon, elas foram associadas com um risco de crescimento do tumor.

Fonte: Terra

Nenhum comentário:

Categories

Mais vistos na ultima semana

Sponsor

AD BANNER

Video Recomendado