Header Ads

Travesti jogado de passarela tentou se agarrar em grades

O travesti Thiago Freitas, 28, conhecido por Melissa (Mel) Freitas e eleito princesa gay do carnaval de 2013, vai reforçar o cuidado com sua segurança após receber alta de cirurgia pela qual será submetido na bacia, fraturada na quinta-feira passada (31), após dois homens o espancarem e o jogarem do alto de um viaduto com cerca de 20 metros de altura em Padre Miguel, na Zona Oeste do Rio de Janeiro.
"Vou deixar de ficar muito na rua, tentar arrumar um emprego e me cuidar para ficar ainda mais bonita no próximo Carnaval", disse, nesta quinta-feira (7), Melissa, que desfila desde criança na escola de samba Mocidade Independente de Padre Miguel e havia sido eleita uma das princesas Gay do Carnaval carioca deste ano.

"Dói não desfilar, mas Carnaval tem todo ano; a bacia dói muito mais. Eu não consigo virar para o lado esquerdo [que foi fraturado], só para o direito", disse ao G1 o travesti, que passará por cirurgia no Instituto Nacional de Traumatortopedia (Into), conforme relatou.  Ele ainda não sabe a data da operação nem tem previsão de alta após o procedimento.

A Mocidade Independente de Padre Miguel disse que não irá substituí-lo no desfile porque o travesti não sairia como destaque, mas na composição entre os integrantes comuns da escola.

O travesti foi espancado e jogado de uma passarela sobre a linha do trem, após sair da quadra da Mocidade por volta das 2h.
Melissa contou que estava em um conhecido ponto de prostituição de travestis entre as estações Guilherme da Silveira e Padre Miguel, quando dois homens pararam em um carro e vieram até o meio da passarela, que fica entre as ruas Ubatuba e Coronel Tamarindo.
Eles propuseram um programa sexual com o travesti, que caminhou em direção a eles. No meio do caminho, a vítima desconfiou da aparência deles e negou o programa. Logo depois, os homens iniciaram as agressões que culminaram no empurrão na linha do trem.
Ainda segundo a polícia, há fortes indícios de que o crime de tentativa de homicídio tenha sido motivado por homofobia, e está em busca dos suspeitos. Os retratos falados indicaram que os agressores têm pele branca e altura na faixa de 1,85 m.

Um taxista que passava pelo local acionou os bombeiros e Melissa foi levada para o Hospital Estadual Albert Schweitzer, em Realengo, na Zona Oeste.
Bárbara Sheldon, amiga da vítima e também Princesa Gay 2013, não acredita que o crime tenha sido premeditado e  disse que esse tipo de crime foi uma surpresa.
"O Rio de Janeiro é uma cidade muito tranqüila em relação a isso. Ficamos chocados com esse ato homofóbico.”

Do G1

Praticamente sem forças por causa dos inúmeros socos e chutes que recebeu em uma passarela de Padre Miguel, na zona oeste do Rio, o travesti Thiago Freitas de Paula, de 28 anos, também conhecido como Mel Freitas, eleito Princesa Gay do Carnaval em um concurso, pediu aos dois agressores que não a jogassem de uma altura de aproximadamente 20 metros.

Ao tentar desesperadamente se segurar nas grades da passarela, os dois supostos clientes de um programa sexual ainda pisaram nas mãos de Mel. Os detalhes da crueldade foram revelados pela mãe do travesti, Maria Arlete.
— Ele é um menino bom, todo mundo gosta dele aqui, respeita. Ele disse aos rapazes "não me joga não", mas eles não quiseram saber de nada. Meu filho ainda tentou segurar para não cair, mas eles pisaram nas mãos dele. Para nós, fizeram isso por ele ser homossexual, mas cada um tem o direito de fazer o que quiser da vida.
O travesti aguarda uma vaga no Into (Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia) para ser transferido do Hospital Estadual Albert Schweitzer, em Realengo, onde está internado desde o último dia 31. Segundo a Secretaria Estadual de Saúde, Thiago tem quadro de saúde estável, está lúcido e orientado. O órgão informou que o travesti necessita de cirurgias ortopédicas muito específicas que, na capital, são feitas pela unidade de referência que é o Into.
Policiais da Delegacia de Bangu (34ª DP) investigam se a tentativa de homicídio foi motivada por homofobia. De acordo com as investigações, Mel Freitas estava em um ponto de prostituição próximo à uma passarela entre as estações de Padre Miguel e Guilherme da Silveira, por volta das 5h, quando dois homens se aproximaram e negociaram um programa sexual.
Em depoimento prestado na última terça-feira (5), no Hospital Estadual Albert Schweitzer, em Realengo, Mel Freitas contou que os dois homens alegaram que o carro deles estaria do outro lado da passarela e que eles precisavam ir até lá para realizar o programa.
O travesti afirmou que decidiu aceitar a condição, mas quando chegou na passarela percebeu um clima estranho e desistiu, dizendo aos supostos clientes que não iria mais até o carro. Ainda de acordo com a vítima, foi neste momento que começaram as agressões, com muitos socos e chutes.
Por fim, os agressores jogaram Mel Freitas da passarela. Ela sofreu fratura na bacia e está muito machucada. Segundo os investigadores, ela será transferida para o Into (Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia) para ser submetida a uma cirurgia.
Apesar de o caso ter sido registrado como lesão corporal, os investigadores não têm dúvidas de que se trata de uma tentativa de homicídio. A vítima ajudou agentes a confeccionar o retrato-falado dos agressores. A polícia também está em busca de câmeras que possam ter filmado a ação ou os criminosos.



Nenhum comentário