Header Ads

Lea T, a transexual brasileira que quebra padrões de imagem de beleza

Continua sendo difícil escapar da ditadura imposta por séculos de tradição em relação à diferença de gênero. Bem o sabem as mães que tratam de fugir do rosa e do azul que o mundo do consumo continua etiquetando meninos e meninas em sociedades supostamente progressistas. No mundo da alta costura, ao contrário, há anos existem indícios de mudança. A chegada de diferentes modelos transexuais como Andreja Pejiuc e Conchita Wurst ao mundo das passarelas e das revistas de moda impõe um questionamento dos cânones de beleza e de gênero. E ainda que exista quem afirme que é simplesmente uma manobra das marcas para chamar a atenção para seus produtos e vender mais, para os transexuais desfilar em Milão ou aparecer na capa da Vogue é um empurrão importante para a aceitação social.
Nessa corrida feita de pequenos passos rumo à tolerância alheia, um pequeno avanço aconteceu na semana passada: Lea T, a primeira modelo transexual que irrompeu no mundo da moda em 2010, por meio de uma célebre campanha da Givenchy, será, a partir de janeiro, o rosto da linha de produtos capilares Chromatics, da Redken. Isso significa que seu rosto anguloso e sua espetacular cabeleira olharão diretamente para os olhos das clientes dos salões de beleza de meio mundo, já que a Redken é uma multinacional norte-americana vende seus produtos em dúzias de países, centenas de milhares de supermercados e investe milhões em publicidade.
É a primeira vez que uma empresa do porte da Redken se atreve a pôr sua marca nas mãos de uma modelo transexual, que também é firme defensora e porta-voz dos direitos da comunidade LGBT. E sua história pessoal, além disso, reflete a difícil situação que têm de enfrentar quem nasce com um sexo diferente do que sente ter.
Lea T nasceu sendo Leandro, em 1981, em Belo Horizonte, no seio de uma família muito católica e bastante famosa. Seu pai é o ex-jogador de futebol Toninho Cerezo, uma celebridade nacional que várias vezes renegou Lea publicamente e que chegou inclusive a dizer que só tem três filhos ao invés de quatro. “Nunca conversamos diretamente sobre esse assunto. Ele não gosta de falar nisso. Quando nos vemos, falamos de trivialidades” confessou Lea T em uma de suas primeiras entrevistas na edição italiana da revista Vanity Fair. “Quando era pequena, meu pai me olhava e dizia que havia algo estranho em mim. Depois, todos na família começaram a rezar para que eu não fosse gay. Teria sido o menor dos males para uma família estritamente religiosa”.

Anos depois, quando se deu conta da sua identidade, quis renegá-las, mas não pôde. Foi Riccardo Tisci, diretor de criação da Givenchy, quem ajudou Leandro a se transformar em Lea T encorajando-a a se vestir de mulher “porque sentia sua forte feminilidade”, lembrou na mesma revista. Depois de contratá-la como assistente, utilizou-a como modelo nos bastidores e quando decidiu lançar sua coleção de 2010, de corte andrógino, pediu a Lea T que fosse a figura central da campanha, tornando-a de fato a primeira modelo transexual de uma grande casa de moda. A edição francesa da Vogue, quando ainda era dirigida pela atrevida Carine Roitfeld, ajudou a catapultá-la ao estrelato mostrando-a totalmente nua em suas páginas. Desde então não deixou de trabalhar, beijando –na capa da revista Love– Kate Moss na boca. Entretanto, Lea T acredita que sua transexualidade não vai fazê-la plenamente feliz. Em 2010 afirmou: “Não posso me permitir o luxo de me apaixonar. A maioria dos transexuais que consegue namorado esconde dele sua verdadeira identidade. Vivem na hipocrisia, que é um tipo de solidão. Nascemos e crescemos sozinhos. Depois da operação, voltamos a nascer. Mas sozinhos outra vez. E morremos sozinhos. É o preço que temos de pagar”.
Recentemente, uma pesquisa de opinião realizada nos Estados Unidos pelo Centro Nacional para a Igualdade dos Transgêneros afirmava que a metade dos entrevistados havia tentado o suicídio ao menos uma vez, enquanto que muitos deles se declaravam vítimas da violência homofóbica. Que o rosto de Lea T se torne um ícone de beleza pode ajudar, ainda que seja apenas um pouquinho, a mudar essa situação.

Nenhum comentário