Header Ads

'Moonlight' é o doloroso drama de um jovem negro e gay

A cerimônia do Oscar, que ocorre neste domingo (26), tem um grande favorito: La La Land - Cantando Estações. A produção recebeu 14 indicações, incluindo a de Melhor Filme, igualando-se a dois clássicos do cinema: Titanic (1997) e A Malvada (1850).
Dirigido pelo jovem cineasta Damien Chazelle (Whiplash), o filme é uma ode à época de ouro dos grandes musicais de Hollywood. Ryan Gosling e Emma Stone formam o casal da comédia romântica que combina boas músicas, bons números de dança e boas referências a películas hollywoodianas.
Em resumo, La La Land é um filme bom, mas com características já vistas inúmeras vezes no cinema. Talvez esteja aí o valor de Moonlight - Sob a Luz do Luar, em cartaz nos cinemas, considerado por muitos críticos o único filme capaz de derrubar o longa de Chazelle na disputa pela principal estatueta do Oscar.

Com oito indicações ao Oscar e vários prêmios no bolso - incluindo o de Melhor Filme no Independent Spirit Awards, o "Oscar independente", anunciado neste sábado (25) - Moonlight – Sob a Luz do Luar é um filme inédito no contexto de Hollywood, dolorido e sublime.
Baseada na peça de teatro Moonlight Black Boys Look Blue, de Tarell Alvin McCraney, a película é dirigida por Barry Jenkins, que também assina o roteiro - e tem traços biográficos de ambos os autores.
A trama acompanha a trajetória do jovem negro Chiron (interpretado por Alex R. Hibbert, Ashton Sanders e Trevante Rhode) em três fases de sua vida. Ele vive numa comunidade no subúrbio de Miami marcada fortemente pela pobreza e pelo tráfico de drogas. O local é o mesmo onde McCraney e Jenkins cresceram nos anos 1980 – ambos com mães viciadas em crack, assim como Chiron.

O filme foi classificado como de cinema gay negro. Esse rótulo, talvez, não dê conta das diferentes nuances relacionadas à masculinidade, homossexualidade e família que a produção explora.
Na primeira parte do filme, Chiron é chamado pelo apelido de Little. Menor e mais frágil da turma, ele vive correndo das agressões e insultos dos colegas. Numa dessas fugas, encontra Juan (Mahershala Ali), um traficante que o acolhe em sua casa e acaba se transformando na figura paterna que lhe falta.

Nesse contexto está presente também a namorada de Juan, Teresa (Janelle Monáe). Enquanto Paula, (Naomi Harris) mãe de Chiron, entra em colapso por conta do crack, é ela quem assume o lugar de leveza e doçura na vida do garoto.
As cenas protagonizadas por Chiron e Juan são as mais tocantes do longa. Há dúvida, poesia, aprendizado e conflito.
Sempre calado, em dado momento da trama, Chiron questiona o casal sobre o que é ser "bicha". Juan responde: "Bicha' é uma palavra que as pessoas usam para fazer os gays se sentirem mal". O menino indaga: "Eu sou bicha?". Juan responde: "Não. Você pode ser gay, mas não pode deixar ninguém te chamar de bicha".

O silêncio e o olhar triste de Chiron estão mais presentes na segunda parte, quando ele aparece adolescente, em um cenário ainda mais caótico: Juan morreu, sua mãe piorou e os abusos na escola assumiram requintes de crueldade.
Sem entender seu lugar no mundo, Chiron tem um único amigo, Kevin, com quem tem sonhos eróticos. É com Kevin que Chiron tem uma experiência reveladora. É Kevin que abandona Chiron de forma covarde, em um episódio que marcará a história do protagonista de forma irreversível.

Na terceira parte de Moonlight, Chiron é outro. Aparentemente, não mais vulnerável. É um grande traficante, cheio de músculos, a bordo de um carrão. O olhar, no entanto, é sem brilho como na época em que era chamado de Little.
Um reencontro com Kevin, poucas palavras e mais revelações. O desfecho do filme é surpreendente na medida em que aponta para um rumo plausível e desemboca em um ponto ainda mais nebuloso.
A vida de Chiron é uma vida profundamente machucada.

Como apontado no início do texto, neste domingo, Moonlight pode levar o Oscar de Melhor Filme – deixando para trás o favoritíssimo La La Land. A considerar a originalidade e atualidade das questões abordadas na tela, essa vitória é mais do que merecida.






Nenhum comentário